Inflação

Economia Prévia da inflação atinge maior patamar para novembro em 5 anos

Prévia da inflação atinge maior patamar para novembro em 5 anos

Preços mais caros de alimentos e bebidas pressionaram o indicador, principalmente das carnes, do arroz e da batata-inglesa

  • Economia | Giuliana Saringer, do R7

Carnes ficaram mais caras em novembro

Carnes ficaram mais caras em novembro

Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress - 23.11.2020

A prévia da inflação atingiu o maior patamar para o mês de novembro desde 2015, de acordo com o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), divulgado pelo IBGE nesta terça-feira (24). 

O indicador ficou em 0,81%, pressionado pelo aumento nos preços dos alimentos e bebidas.

Em outubro, o IPCA-15 era de 0,94%. Os itens que pesaram mais no bolso do consumidor foram as carnes (4,89%), o arroz (8,29%) e a batata-inglesa, que passou de -4,39% em outubro para 33,37% em novembro.

Outros itens que tiveram aumentos importantes em novembro foram o tomate (19,89%) e óleo de soja (14,85%). Em contrapartida, o leite longa-vida ficou mais barato (-3,81%).

Mercado eleva perspectiva para Selic em 2021, aponta Focus

O aumento dos preços dos itens de transportes também pesou para o brasileiro em novembro. Os principais produtos que ficaram mais caros foram a gasolina (1,17%), o etanol (4,02%), o óleo diesel (0,53%) e o gás veicular (0,55%).

As passagens aéreas também ficaram mais cara, mas em menor ritmo do que registrado em outubro (passou de 39,9% no mês para 3,46% em novembro). 

A prévia da inflação acumula alta de 3,13% de janeiro a novembro deste ano e de 4,22% nos últimos 12 meses. Já em novembro de 2019, a taxa foi de 0,14%.

Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou os preços dos produtos entre os dias 14 de outubro e 12 de novembro e comparou com os vigentes de 12 de setembro a 13 de outubro. 

O indicador considera o impacto dos preços às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Últimas