Economia Primeiro da fila para trocar nota de R$ 200 é colecionador há 35 anos

Primeiro da fila para trocar nota de R$ 200 é colecionador há 35 anos

Athos Camargo trocou duas cédulas de R$ 200 para ele e mais dez para outros colecionadores, para quem ele enviaria o dinheiro pelos Correios

Agência Estado
Athos Camargo, de 50 anos, é bombeiro militar da reserva e colecionador cédulas

Athos Camargo, de 50 anos, é bombeiro militar da reserva e colecionador cédulas

MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

O bombeiro militar da reserva Athos Camargo, 50, foi o primeiro da fila para conseguir a nova cédula de R$ 200, com o lobo-guará, na sede do Banco Central (BC), em Brasília.

Leia também: BC: nota de 20 reais custa mais que a de 100, e a de 5 é a mais rara

Embora a troca só tivesse sido permitida a partir das 14 horas, ele chegou no BC ainda pela manhã, por volta de 10h. Colecionador há 35 anos, Camargo estava curioso em relação ao tamanho da nova cédula (o mesmo da nota de R$ 20) e a cor (cinza e sépia são as cores dominantes).

Ele trocou duas cédulas de R$ 200 para ele e mais dez para outros colecionadores, para quem ele enviaria o dinheiro pelos Correios.

"Não colecionamos para formar patrimônio mas pelo prazer mesmo. O valor está muito relacionado ao estado da cédula. Se tiver dobras e amassados, o valor cai dez vezes", afirmou.

O segundo da fila, o aposentado José Martins, 63, disse que a nota ficou muito bonita."Vou guardar uma cédula para a coleção", disse. Segundo ele, houve uma "identificação" com a cédula logo que foi feito o anúncio pela escolha do lobo-guará para estampá-la. "Moro no Guará (região administrativa do Distrito Federal), tem tudo a ver, né?".

O nome da região administrativa tem, como origem, o Córrego Guará, que corta toda sua área, sendo batizado em homenagem ao lobo-guará, espécie comum no Planalto Central.

Últimas