Professores decidem hoje se farão greve contra reforma da Previdência

Categoria se reunirá na Assembleia Legislativa de SP para protestar contra proposta do governador João Doria e votar sobre uma possível paralisação 

Proposta elevou idade mínima de mulheres, para 57 anos, e de homens, para 60

Proposta elevou idade mínima de mulheres, para 57 anos, e de homens, para 60

Pixabay

Os professores que atuam no ensino público estadual farão uma assembleia, nesta terça-feira (26), às 14 horas, para decidir sobre o início de uma greve contra a reforma da previdência do estado de São Paulo.

O ato é comandado pela Apeoesp (sindicato dos professores).

Leia também: Previdência: confira a aposentadoria dos professores com as novas regras

O Governo de São Paulo apresentou na sexta-feira (8) um projeto de reforma da Previdência para os servidores estaduais.

Entre as propostas, estão:

• Fixação de idade mínima para se aposentar. Mulheres, 57 anos, e homens, 60 anos, além de tempo mínimo de contribuição de 25 anos;
• Aumento de contribuição previdenciária de 11% para 14%;

Também haverá regras de transição para servidores que já ingressaram no funcionalismo estadual.

Leia também: Tire 29 dúvidas sobre a Reforma da Previdência e entenda as mudanças

Ao final da assembleia, categoria se une com outras do funcionalismo estadual para um ato conjunto.