Proteção está em alta nas lojas de roupas

Maquininha de pagamentos encapada e álcool em gel por toda a parte virou regra para clientes e funcionários

  • Economia | Conteúdo Patrocinado

Cuidados com proteção e higiene ambiental aumentaram na retomada

Cuidados com proteção e higiene ambiental aumentaram na retomada

Reprodução

Basta olhar o manequim da loja para descobrir que proteção é a última tendência nas vitrines. Com padrões de saúde mais rígidos por conta da pandemia, lojas de moda e acessórios focam na organização de suas equipes e no layout de seus salões e corredores. Tudo para cumprir com eficiência as regras de distanciamento.

A limpeza do ambiente, do chão e dos tapetes ficou mais frequente. Nos balcões e mesas laterais, o álcool em gel domina um espaço que antes era reservado ao cafezinho dos clientes. A causa é nobre: o retorno às boas compras e a segurança de que a saúde e o bem-estar de todos está em primeiro lugar.

Experimentar roupas está proibido por decreto, mas nem por isso o provador fica abandonado. Os espelhos podem (e devem) ser utilizados, mas com portas ou cortinas abertas; as peças devem ser posicionadas à frente do corpo, apenas para servir como uma referência do tamanho.

Na hora de pagar, o cuidado também é redobrado, com a utilização de papel filme para encapar as maquininhas de cartão de débito ou crédito. Além de máscaras de uso obrigatório pelos vendedores e pela clientela, é claro. Isso elimina as chances de contágio e garante a tranquilidade do público, que mostra sua aprovação no resultado das vendas. Somando as oportunidades do comércio online à reabertura, o faturamento já cresceu 20%.

Últimas