Coronavírus

Economia Reino Unido prevê maior queda do PIB nacional em mais de 300 anos

Reino Unido prevê maior queda do PIB nacional em mais de 300 anos

De acordo com Rishi Sunak, ministro da Economia britânico, a pandemia de coronavírus teve um forte impacto e o PIB deverá cair 11,3% no acumulado

  • Economia | Da EFE

PIB do Reino Unido deverá cair mais de 11%

PIB do Reino Unido deverá cair mais de 11%

REUTERS/Ralph Orlowski/File Photo

O PIB (Produto Interno Bruto) do Reino Unido deverá cair 11,3% no acumulado de 2020, devido a pandemia da covid-19, o que representaria a maior redução registrada em mais de 300 anos, apontou nesta quarta-feira (25) o ministro da Economia britânico, Rishi Sunak.

Leia mais: Com pandemia, gasto de brasileiro no exterior cai 82% em outubro

A partir de dados do Escritório de Responsabilidade Orçamentária, que fiscaliza as finanças públicas locais, Sunak indicou que a economia crescerá 5,5% em 2021, 6,6% em 2022 e 2,3% em 2023, embora não atinja o nível pré-crise até o final de 2022.

O ministro expôs o impacto do coronavírus ao apresentar na Câmara dos Comuns a chamada Revisão de Gastos, suas prioridades orçamentárias para o exercício financeiro de 2021-22, dominado pelo combate ao vírus, e pelo Brexit.

Em complemento ao orçamento anual, previsto para março, a Revisão pretende lançar as bases para a política econômica de cada governo ao longo da sua gestão, embora desta vez abranja apenas um ano fiscal devido ao atual contexto de incertezas.

Para combater a crise gerada pela pandemia, o governo terá tomado emprestado 394 bilhões de libras (cerca de US$ 442 bilhões) este ano, 19% do PIB, o maior endividamento orçamentário da história do país "em tempos de paz", disse o Chanceler do Tesouro.

Ele alertou que o déficit anual ficará acima de US$ 133,4 bilhões para o restante do mandato, que termina em 2024.

Sunak disse aos deputados que em 2020 o Estado terá investido 280 bilhões de libras na luta contra a covid-19 - com ajuda ao emprego e ao setor da saúde - e em 2021 espera destinar para esse fim ao menos 55 bilhões de libras mais.

Entre seus objetivos de gasto, ele garantiu que será oferecido um aumento salarial aos trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde (NHS, em inglês), embora os demais trabalhadores do setor público, como policiais ou professores, verão seus salários congelados no próximo ano.

O investimento em infraestrutura, destinado em parte à reativação das áreas mais deprimidas do norte da Inglaterra e que agora será administrado por um novo banco, chegará a 100 bilhões de libras (cerca de US$ 133,4 bilhões) em 2021, disse ele.

Quanto aos ministérios, o governo já anunciou na quarta-feira passada que pretende aumentar o orçamento da Defesa em 16,5 bilhões de libras (cerca de US$ 22 bilhões) nos próximos quatro anos.

Por sua vez, a porta-voz da Economia Trabalhista, Anneliese Dodds, criticou que o Executivo "conservador" vai congelar os salários dos funcionários públicos e lamentou que, em seu discurso, Sunak "não tenha se referido ao Brexit" ou "ao custo de deixar a UE (União Europeia) sem um acordo comercial" bilateral no final do período de transição, em 31 de dezembro.

Últimas