FGTS

Economia Sancionada a lei que institui saque aniversário do FGTS

Sancionada a lei que institui saque aniversário do FGTS

Foram vetados dispositivos que estabeleciam fixação de porcentual do resultado do Fundo

  • Economia

Lei que institui o saque aniversário do FGTS foi sancionada com veto do presidente

Lei que institui o saque aniversário do FGTS foi sancionada com veto do presidente

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta quinta-feira (12), com vetos a lei que institui a modalidade de saque aniversário no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

A Lei nº 13.932 está publicada na edição desta quinta-feira, 12, do DOU (Diário Oficial da União).

Leia também: Tire 23 dúvidas sobre o saque aniversário do FGTS

Nesta quinta, também, a Caixa confirmou que o limite do saque imediato do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) subiu de R$ 500 para R$ 998 (valor correspondente ao salário mínimo nacional).

Em mensagem encaminhada ao Congresso, o governo explica as razões dos vetos feitos ao texto da lei.

Foram vetados dispositivos que estabeleciam fixação de porcentual do resultado do FGTS como condição para que as aplicações em habitação popular possam contemplar sistemática de desconto, direcionada em função da renda familiar do beneficiário.

Leia também: Governo libera FGTS para nascidos em junho e julho sem conta na Caixa

Segundo justificativa para o veto, "tal proposta contraria o interesse público, pois reduz drasticamente os descontos concedidos para famílias de baixa renda no Programa Minha Casa Minha Vida, reduzindo o acesso ao Programa pela camada mais necessitada da sociedade, bem como aumenta o lucro do FGTS de forma a favorecer as camadas sociais de maior poder aquisitivo, que são as que possuem maior volume de depósitos e saldos na conta do FGTS".

Leia também: Quase metade dos trabalhadores já sacou os R$ 500 do FGTS

Outro veto foi feito a um dispositivo que atribuía apenas à Caixa o dever de prestar informações necessárias à fiscalização à Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, excluindo tal dever por parte da rede arrecadadora.

"Ocorre que tal supressão contraria o interesse público, pois o acesso aos dados de pagamento do FGTS junto à rede arrecadadora é de fundamental importância para garantir eficiência e celeridade à Inspeção do Trabalho na verificação do recolhimento dos valores devidos ao FGTS e no desempenho de suas funções de fiscalização e cobrança", opinou o Ministério da Economia na justificativa do veto.

Leia também: Senado aprova aumento de saque do FGTS de R$ 500 para até R$ 998

"A obtenção de informações de pagamento direto da fonte primária (rede arrecadadora) permite uma melhor gestão dos processos relacionados ao cumprimento da obrigação de recolhimento do FGTS e possibilita uma maior autonomia à Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia para o exercício de suas atribuições legais", acrescentou.

Últimas