Economia Se enrolou com o cheque especial? Saiba como evitar essa bola de neve

Se enrolou com o cheque especial? Saiba como evitar essa bola de neve

Especialista lembra que a modalidade de crédito não é uma extensão do salário

Se enrolou com o cheque especial? Saiba como evitar essa bola de neve

Ainda não está tudo perdido: você pode cortar os seus gastos ou negociar o pagamento da dívida com o banco

Ainda não está tudo perdido: você pode cortar os seus gastos ou negociar o pagamento da dívida com o banco

Thinkstock

Bom dia! Você está com a consciência pesada? Para se ter um dia mais tranquilo, pode ser melhor se livrar das dívidas e uma delas é a “bola de neve” que acumulamos com o cheque especial.

A coordenadora da Investmania, Aline Rabelo, alerta que o maior erro das pessoas nesse caso é pensar no cheque especial como uma extensão do salário. Se não pagamos depois esse valor, o salário do mês seguinte cobra a dívida, mas logo ficamos devendo de novo devido à falta de dinheiro.

— Esse valor não faz parte da renda, portanto, não deve ser usado para pagar a receita (gastos).

Leia mais notícias de Economia  

Taxa do cheque especial pode chegar a 256% ao ano

Uma saída, quando já se está enrolado nessa “bola de neve”, é economizar para juntar dinheiro e quitar a dívida ou negociar com a instituição bancária em questão.

De acordo com a especialista, o melhor é não usar essa modalidade de crédito, pois pagamos juros com ela e “é assim que os bancos lucram.” Esse tipo de empréstimo ainda pode ser usado apenas quando precisamos de dinheiro em uma situação emergencial.

Veja as notícias do R7 na palma da mão. Assine o R7 Torpedo

*Colaborou Arthur Gandini, estagiário do R7

    Access log