Novo Coronavírus

Economia Seis em cada dez empresas sentem impactos negativos da pandemia

Seis em cada dez empresas sentem impactos negativos da pandemia

Firmas com até 49 funcionários foram as mais afetadas pelo isolamento social, e 2 em cada 3 companhias do setor de serviços sentiram os efeitos negativos

  • Economia | Giuliana Saringer, do R7

País tinha 2,8 milhões de empresas ativas no período

País tinha 2,8 milhões de empresas ativas no período

Amanda Perobelli/Reuters - 06.07.2020

Seis em cada dez empresas (62,4%) brasileiras sentiram os impactos da pandemia de coronavírus na segunda quinzena de junho, segundo a Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas empresas, divulgada nesta quinta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Para 22,5% das empresas, o efeito foi pequeno ou inexistente e para 15,1%, foi positivo. 

O país tinha 2,8 milhões de empresas ativas do período. As firmas de pequeno porte, com até 49 funcionários, foram as mais afetadas pela pandemia (62,7%), enquanto menos da metade (46,3%) das companhias de porte intermediário, com até 499 funcionários, sentiram os impactos. 

De todas as grandes empresas, com mais de 500 funcionários, 50,5% disseram ser impactadas pelas medidas de isolamento social para conter a transmissão do coronavírus. 

Pandemia provoca queda de 75% no setor de brinquedos

As empresas da região Nordeste foram as mais atingidas pela crise do novo coronavírus (72,1%), seguido por Sudeste (65%) e Centro-Oeste (62,9%).

Setores mais afetados

As empresas do setor de Serviços foram as que mais sentiram impactos negativos (65,5%), com destaque para o segmento de serviços prestados às famílias (86,7%).

O comércio também foi afetado, sendo que 64,1% relataram efeitos negativos e na construção, 53,6%.

Já na indústria, 48,7% das empresas destacaram impacto negativo, enquanto para 24,3% o efeito foi pequeno ou inexistente e, para 27%, o impacto nessa quinzena foi positivo.

Venda de carros usados desaba e sinaliza encolhimento da economia

O coordenador de Pesquisas Conjunturais em Empresas do IBGE, Flávio Magheli, diz que era de se esperar que o setor de serviços fosse mais impactado pela pandemia. 

“Os serviços prestados às famílias incluem bares, restaurantes e hotéis, atividades que dependem de circulação de pessoas, turismo e viagens. Era de se esperar que essas atividades fossem mais impactadas. Já o segmento de veículos, peças e motocicletas também foi afetado pelo funcionamento parcial dos Detrans e das concessionárias, além da decisão de compra de um bem durável, que tem de ser bem pensada pelas famílias num momento de desemprego e de incertezas”, afirma. 

Queda nas vendas

Metade das empresas ativas (50,7%) na segunda quinzena de junho sentiram uma queda nas vendas ou nos serviços comercializados. 27,6% disseram que o efeito foi pequeno ou inexistente e 21,4% tiveram resultados melhores com a pandemia. 

A queda nas vendas foi sentida por 51,0% das companhias de pequeno porte, 39,1% das intermediárias e 32,8% das de grande porte. Nas empresas de maior porte, destaque para o percentual de 41,2% que relataram efeito pequeno ou inexistente.

Últimas