Reforma da Previdência
Economia Senadores cobram governo para concluir votação da Previdência

Senadores cobram governo para concluir votação da Previdência

Segundo Major Olímpio, líder do governo no Senado, parlamentares alertaram que votação em segundo turno depende de o governo cumprir compromissos

Senadores cobram governo para concluir votação da Previdência

Senado deve votar reforma da Previdência nesta terça-feira (1)

Senado deve votar reforma da Previdência nesta terça-feira (1)

Roque de Sá/Agência Senado

Senadores irão votar a reforma da Previdência nesta terça-feira (1) na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e no plenário da Casa em primeiro turno, mas alertaram que a votação em segundo turno, prevista para a próxima semana, depende de o governo cumprir compromissos assumidos com os parlamentares, disse o líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP).

Segundo o senador, esse foi o sentimento externado pela maioria dos senadores em reunião na manhã desta terça-feira com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e com a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS).

Leia mais: Líder do governo diz ter 19 dos 27 votos para aprovar reforma na CCJ

“Agora a água passou do umbigo. Não foi uma ameaça, foi um alerta, a maioria dos senadores dizendo ‘vamos votar hoje pelo Brasil, mas se não acontecer compromissos assumidos pelo governo, não haverá a votação no dia 10'”, disse Olimpio a jornalistas após a reunião.

O líder do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, explicou que as demandas dos senadores estão relacionadas principalmente ao pacto federativo e a questões regionais.

Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), apesar de admitir o clima de insatisfação entre os colegas em relação a “pendências” e ao pacto federativo, afirmou que está mantida a previsão de votação do segundo turno da proposta no dia 10 de outubro.

“Continua mantido o calendário, mas é preciso conversar muito”, disse. “A gente sai daqui com muitas solicitações de superação de questões que foram aqui apresentadas pelos diversos líderes”, afirmou, acrescentando que o governo terá “muito trabalho” para harmonizar a relação com os senadores.

Logo após a reunião dos senadores, foi iniciada a sessão da CCJ desta terça-feira para a votação de parecer do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) sobre as emendas apresentadas em plenário à reforma da Previdência, mas antes, foi dado espaço para a leitura de um voto em separado do senador Paulo Paim (PT-RS). Depois, passou-se à fase de discussão, em que cada senador teria 10 minutos para discursar.

Encerrada a discussão, inicia-se o processo de votação. Há pelo menos 6 destaques a serem votados além do parecer de Tasso.