STF prorroga investigação sobre interferência de Bolsonaro na PF

Celso de Mello afirma que ampliação do prazo por mais 30 dias atende ao pedido da da PF para a realização de diligências ainda pendentes

Moro acusa Bolsonaro de interferir na Polícia Federal

Moro acusa Bolsonaro de interferir na Polícia Federal

Adriano Machado/Reuters - 29.8.2019

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), prorrogou por mais 30 dias o inquérito que apura as acusações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro sobre "interferências políticas" do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

É a segunda vez que o decano da Corte amplia o prazo das apurações — a última ocorreu no dia 8 de junho e deu mais um mês para a realização de diligências.

Leia mais: Celso de Mello que Bolsonaro deponha em inquérito

Em despacho, Celso de Mello esclarece que a nova concessão atende o pedido da PF para a realização de diligências ainda pendentes — uma delas é o depoimento de Bolsonaro no caso. A solicitação de oitiva será apreciada pelo decano após manifestação do procurador-geral da República, Augusto Aras.

"Concedo, por mais 30 (trinta) dias, a dilação de prazo ora postulada pela ilustre autoridade policial federal para efeito de realização de diligências investigatórias ainda pendentes (ou que se façam eventualmente necessárias) quanto ao inquérito policial em referência, considerada a iminência do encerramento do prazo anteriormente deferido", anotou o decano.