Tecnologia anticovid é incorporada a lojas, escolas e indústrias do país

Objetivo dos empresários, além de evitar a infecção pelo novo coronavírus, é reforçar a sensação de segurança de clientes e empregados

Lojas investem na sensação de segurança dos clientes

Lojas investem na sensação de segurança dos clientes

Unsplash

Quem passou os últimos meses apenas dentro de casa pode se surpreender ao voltar a fazer as compras nos próximos dias. Tapetes que higienizam a sola dos pés, cabines antissépticas e câmeras que detectam se as pessoas do ambiente têm febre e usam máscaras mostram que as empresas estão se esforçando para garantir a sensação de segurança de clientes e empregados contra a covid-19.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Alguns produtos prometem utilidade também após a crise sanitária. É o caso das câmeras que controlam o fluxo de pessoas nas lojas, que podem continuar evitando aglomerações, afinal, com ou sem o risco de pegar covid-19, excesso de gente desagrada e atrapalha o consumo.

Da mesma forma, tótens com álcool gel e tapetes que limpam os sapatos significarão higiene e saúde mesmo quando a doença deixar de ser um fantasma.

O tecnólogo Rubens Branchini, diretor-comercial da Dealer Shop, diz que ganhou mercado na pandemia as câmeras termográficas, que identificam em grupos de pessoas aquelas que estão com febre.

Os dispositivos tornam desncessário o uso de termômetros na frente dos estabelecimentos, prática corriqueira nos últimos meses, e não exigem que o consumidor perca tempo parado e forme fila.

"Essa câmera faz a medição a distância e tem uma margem de erro baixa, de 0,3 grau apenas. Ela tanto pode emitir um alerta sonoro quanto avisar o gerente da loja ou o segurança que determinado cliente está com a temperatura alta", explica Branchini.

O sinal é discreto para evitar o constrangimento do delatado e o pânico entre os outros consumidores, e é calibrado de acordo com o que a empresa considerar ideal. Pode, por exemplo, barrar somente aqueles com febre mais alta, liberando os outros por perceber que todos estão de máscara. 

Câmeras termográficas dão temperatura exata de cada pessoa

Câmeras termográficas dão temperatura exata de cada pessoa

Dealer Shop / Divulgação

A câmera, diz o tecnólogo já custou mais de R$ 150 mil e era usada em operações militares para localização de pessoas em florestas ou no meio de escombros em deslizamentos, mas ficou mais em conta durante a pandemia. Hoje é vendida entre R$ 25 mil e R$ 30 mil.

Pode ser cara, principalmente para empresários com menor poder aquisitivo, por isso é mais indicada a centros de compras maiores ou locais que costumam ter grandes aglomerações, como aeroportos, igrejas, museus.

Bianchini acrescenta que o sistema pode ser integrado com outros softwares para oferecer serviços extras. Um deles é o de controle do número de pessoas no local.

Lotação máxima

O sistema direct flow (fluxo direto) é colocado em cada uma das portas. A instalação custa R$ 4 mil por entrada na Dealer Shop e a partir de R$ 750 mensais o monitoramento.

Direct Flow controla entrada e armazena dados

Direct Flow controla entrada e armazena dados

Dealer Shop / Divulgação

Um painel na frente da loja avisa quantas pessoas ainda cabem no ambiente, autorizando apenas o limite programado. Depois disso, avisa aos consumidores que eles vão precisar esperar mais um pouquinho.

O empresário pode receber informações online sobre a lotação.  

A intenção da fabricante do produto é aprimorar o relatório na segunda versão do direct flow, entregando dados mais detalhados do monitoramento como horários em que o local foi mais procurado, quando há mais homens ou mulheres na loja ou quais as vitrines chamam mais a atenção.  

Onde está o seu crachá?

Uma pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Segurança Eletrônica (Abese) nos meses de abril e maio com indústrias, distribuidores e prestadores de serviço do Brasil, mostrou que 40% das empresas notaram o aumento da procura por soluções de segurança relacionadas com a prevenção à covid-19. Segundo o levantamento, entre os produtos mais buscados estão as câmeras termográficas e a tecnologia de reconhecimento facial.

Câmera de reconhecimento facial

Câmera de reconhecimento facial

Dealer Shop / Divulgação

As câmeras que fazem o controle de acesso facial liberam as catracas sem que o funcionário ou convidado precise tocá-la. E, em tempos de pandemia, ainda mede a temperatura e checa se a pessoa está sem febre.

O sistema desenvolvido pela Dealer Shop sai por volta de R$ 14 mil. De acordo com o diretor-comercial do grupo, a escolha é ideal para condomínios residenciais, centros empresariais ou clubes. "Você faz o pré-cadastro dos que frequentam o local e eles nem precisam avisar o porteiro."

Branchini diz que também no caso das câmeras que deduram quem está com febre fica a critério da empresa definir quem pode ou não entrar. "Se o espaço respeitar distanciamento, o parâmetro definido pode ser o de aceitar quem está com a temperatura apenas um pouco mais alta, mas obrigatoriamente de máscara."

A agilidade e simplicidade de todo o processo é um ganho que veio para ficar. Com um termômetro acoplado, a Teleinfo Soluções comercializa um terminal de autoatendimento que confere a temperatura dos clientes pelo pulso e só libera a entrada após a verificação do uso de máscaras.

Toda operação demora menos de um segundo e o totem pode atender até 30 pessoas por minuto, evitando filas na entrada. "O terminal armazena até 10 mil faces e possui taxa de reconhecimento de 90% com máscara e 99% sem”, detalha Luciana Cartocci, diretora-executiva da Teleinfo.

Temperatura e gel

A empresa Projetos Especiais, de São Paulo, pôs no mercado uma alternativa que une medição da temperatura e entrega de álcool em gel em um único ponto. Pode ser colocado na entrada de estabelecimentos ou dentro de qualquer espaço que receba público.

Era vendido a R$ 4.600, mas com o aumento de ofertas no mercado hoje sai por R$ 2.900, diz Luciano Farias Martins, dono da empresa.

Ele conta que seus totens funcionam por sensor de presença, o que evita o contato com as embalagens do álcool em gel. E abrem mão dos pedais, que prejudicariam, segundo o empresário, usuários com deficiência física.

O totem sem o termômetro sai por R$ 990, mas pode ser alugado por R$ 100 mensais.

Martins, que tem entre seus principais compradores as escolas, revela que as vendas despencaram desde que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou no início de agosto que as aulas não voltariam em setembro. "Caiu 90% quando ele falou que o retorno deveria ser em outubro."

Ele acredita que itens como o álcool em gel vão se manter entre os hábitos dos brasileiros mesmo após a pandemia. "A verdade é que quase ninguém se cuidava direito", opina.

Reviravolta profissional na pandemia

undefined

Empresário de 47 anos que atuava até dias antes da chegada do novo coronavírus ao país na produção de eventos e tinha entre seus clientes Aviões do Forró e Zezé di Camargo e Luciano, Martins viu seu ramo de atividade parar por causa da covid-19. E decidiu se virar.

Além da Projetos Especiais, montou a Xô Vírus, especializada na venda de tapetes sanitizantes, colocados na porta de lojas e escritórios para matar os vírus grudados nos sapatos que chegam da rua.

Empreendedor e bom vendedor, Martins cita uma característica que mostraria que seu tapete é a melhor escolha do mercado. "O nosso não precisa ficar trocando o produto de limpeza a todo momento. Dura de 3 a 5 dias."

De acordo com ele, as opções concorrentes são capachos adaptados para receber produtos como água sanitária e álcool, que evaporam logo e precisam ser repostos. 

O truque seria que o seu produto funciona como uma espécie de esponja, absorvendo por mais tempo a solução colocada na parte de baixo.

Vendido em tamanho único  (68 x 50 cm), nas cores preta ou amarela, custa R$ 149,90. Apenas o refil com a parte onde as pessoas pisam custa R$ 39,90. "Se for comprado no site da empresa. a entrega é no mesmo dia", avisa o vendedor/empresário.

Quem está sujo não limpa

undefined

A proprietária da Natureza & Limpeza, Ana Paula Barcena, que vende e limpa tapetes que utilizam substâncias sanitizantes em suas superfícies, dá algumas dicas dos cuidados que esses itens necessitam.. 

"É preciso colocar mais produto de limpeza de duas em duas horas ou quando o tapete ficar seco, porque sem umidade ele deixa de tirar as impurezas dos calçados", esclarece. "Além do fluxo de pessoas, o ar condicionado pode ajudar no ressecamento."

E mais: é essencial, observa a especialista, que semanalmente esses tapetes visitem o tanque ou a lavanderia para retirar a sujeira impregnada. "As donas de casa lavam todo dia, mas as empresas não têm esse espaço. Por isso criamos durante a pandemia um serviço pago mensalmente, no qual buscamos, limpamos e entregamos a peça toda semana", diz Ana Paula, que trabalha em São Paulo.

O custo do serviço para os capachos 60x60 centímetros sai a partir de R$ 150 por mês.

A Natureza & Limpeza também vende o produto em vários tamanhos. O 60x60 tem o preço de R$ 200. Um modelo de 2,40 m por 1,20 m, R$ 900. E comercializa ainda a solução para ser usada na superfície. Um litro, que pode ser diluído em 26 litros de água, sai por R$ 40. 

Ana Paula sabe que crise econômica não combina com gastos extras. Por isso dá uma dica valiosa a pessoas físicas e jurídicas. "Quem não tem condição de comprar o tapete, pode deixar um pano de chão ou toalha com água sanitária na porta de entrada e, ao lado, um pano seco para limpar os pés."

Luzes UV

Tapetes com raios UV evitam a entrada de doenças recolhidas na rua

Tapetes com raios UV evitam a entrada de doenças recolhidas na rua

Xô Vírus / Divulgação

A Xô Vírus tem no seu catálogo um tapete com duas lâmpadas de raios ultra-violeta, que prometem expulsar 99% das impurezas em apenas 9 segundos. Custa R$ 1.500.

Luciano Martins afirma que a opção com as lâmpadas UV pode fazer sucesso além de 2020. "Acho que todo mundo vai se preocupar um pouco mais em não trazer doenças para dentro de casa", analisa.

Em nota de 5 de agosto, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) admitiu a eficácia do uso de raios UV para desinfecção contra o coronavírus, mas só em condições "muito específicas e controladas quanto à área irradiada, ângulo de exposição, intensidade e dose de radiação, sobre superfícies lisas e limpas".

O órgão recomenda que não se utilize qualquer equipamento com UV 
para desinfectar mãos ou outras zonas da pele, para evitar danos à saúde. 

Em outras palavras, o tapete tem de ser usado por pessoas calçadas, mata bactérias, mas há dúvidas sobre sua capacidade de eliminar o vírus Sars-Cov2, responsável pela covid-19. 

Não entre em qualquer cabine

undefined

Cabines que utilzam o raio UV não são indicadas para lugares ocupados por seres humanos e podem até levar a doenças, em vez de previni-las.

Outro modelo de túnel ou cúpula causou polêmica recentemente por espirrar nos candidatos à desinfecção o digluconato de clorexidina. A substância química não só tinha poder duvidoso contra o vírus como, mal usada, estimularia o câncer e prejudicaria a visão.

Diante de tanta insegurança em relação às cabines, a Ecovidas pôs no mercado uma opção que, segundo a empresa, impediria a entrada do vírus em ambientes fechados sem pôr em risco a saúde de ninguém. 

Íons de prata contra a covid-19

Íons de prata contra a covid-19

Ecovidas / Divulgação

A solução desenvolvida por um cientista do laboratório IPClin, de Jundiaí (doutor Cassiano Escudeiro), foi a borrifação de íons de prata (nanoprata) nos recém-chegados por 3 segundos.

"A gente está em um momento no qual é essencial evitar a proliferação do vírus e esse produto, desenvolvido por um cientista brasileiro e aprovado pela Anvisa, é uma arma importante porque faz exatamente isso", diz o assessor de imprensa da empresa, Marcio Marinello de Mendonça.

A cabine antisséptica, que custa, dependendo do tamanho necessário, entre R$ 3 mil e R$ 9 mil, é instalada pela Ecovidas na entrada de salas, clubes ou quaisquer pontos que tenham fluxo de pessoas. Os jatos de nanoprata, segundo a fabricante, eliminam o vírus depositado em roupas e na pele e garantem "imunidade" por mais 12 horas.

Vale uma explicação: o produto promete eliminar o Sars-Cov2 das superfíceis e impedir que ele se instale ali por 12 horas, mas não evita o contágio. Logo, se alguém contaminado tossir em um sujeito que acabou de se limpar na cabine, ele será infectado se o vírus entrar em sua boca ou nariz. Também por isso, qualquer que seja a proteção adicional, é sempre importante usar máscaras.

Com o mesmo produto, a Ecovidas vende uma espécie de repelente contra o novo coronavírus, por R$ 25 a embalagem com 150 ml, e totens que espalham os íons de prata.  

O totem sai entre R$ 2.500 e R$ 4.500 e suporta até 150 passagens. Depois dessa marca, é preciso reabastecer o compartimento com as nanopratas. O galão de 5 litros custa R$ 60.