Economia Total está entre empresas que buscam força maior em contratos com EDF, dizem fontes

Total está entre empresas que buscam força maior em contratos com EDF, dizem fontes

Reuters

Por Bate Felix

PARIS (Reuters) - A petroleira francesa Total está entre diversos fornecedores de energia que tentaram declarar força maior em contratos de compra de energia nuclear junto à EDF, disseram fontes, à medida que o surto de coronavírus levou os preços do mercado francês de eletricidade a níveis muito abaixo dos contratos existentes.

O órgão regulador do mercado de energia da França, CRE, disse na semana passada que havia rejeitado pedidos de vários fornecedores de energia não identificados para ativar a cláusula de força maior nos chamados contratos ARENH, que lhes permitem comprar a energia nuclear da EDF a um preço fixo.

O CRE não disse quais fornecedores declararam força maior, mas três fontes disseram à Reuters que a Total, maior rival da EDF no mercado de varejo de energia da França, liderou o movimento.

A EDF e a Total não quiseram comentar.

Um porta-voz da Engie, outra grande participante do mercado francês de eletricidade, disse que a empresa não declarou força maior em seu contrato com a ARENH.

Sob o chamado mecanismo ARENH, criado em 2011 para promover a concorrência, os rivais da EDF podem comprar até 100 terawatt-hora (TWh), ou cerca de um quarto de sua produção nuclear anual, a um preço fixo de 42 euros (46,29 dólares) por megawatt-hora (MWh).

A EDF, controlada pelo Estado, opera os 58 reatores nucleares da França, que representam cerca de 75% das necessidades de eletricidade do país.

Durante o leilão anual em novembro passado, os altos preços da energia no mercado atacadista europeu geraram forte demanda pelo mecanismo ARENH para entrega em 2020.

Mas o surto de coronavírus e um confinamento geral ordenado pelo governo para conter sua propagação levaram a uma queda acentuada na demanda de eletricidade, de entre 15% e 20%, segundo a operadora francesa da rede elétrica RTE.

Devido à queda no consumo de energia, os preços no atacado estão longe dos 42 euros/MWh pagos pelo contrato ARENH.

Um contrato de energia de carga básica da França para entrega em junho está sendo negociado a 20,40 euros/MWh, enquanto o contrato para o terceiro trimestre estava em 26,20 euros/MWh.

(Reportagem adicional de Benjamin Mallet)

Últimas