Um em cada quatro segurados do INSS perdeu o auxílio-doença porque faltou na reavaliação do pente-fino

INSS economizou R$ 715 milhões com reavaliação. Perícia cortou 28 mil pagamentos

Covocação foi feita por carta. Quem faltou perdeu o benefício
Covocação foi feita por carta. Quem faltou perdeu o benefício Divulgação INSS

Cerca de 23% dos segurados convocados pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para fazer a reavaliação perderam o auxílio-doença porque faltaram na consulta de reavaliação. Até agora, foram convocados 48,6 mil segurados em todo país. Foram 11.502 cancelamentos por falta e outros 28.872 cancelamentos após o perito constatar no exame que não havia incapacidade para o trabalho.

O Programa de Revisão dos Benefícios por Incapacidade, também chamado de pente-fino, reúne os segurados que estão há mais de dois anos sem realizar perícia médica.

Leia mais notícias de Economia

Só no Estado de São Paulo existem 91,5 mil pagamentos de auxílio-doença e 272 mil aposentadorias por invalidez para segurados que estão há mais de dois anos sem passar por um exame de reavaliação.

Segundo o governo, o pente-fino dos benefícios já proporcionou uma economia de R$ 715,4 milhões ao Fundo da Previdência. Os recursos são referentes ao cancelamento de mais de 43 mil benefícios de auxílio-doença, autorizados pelas Medidas Provisórias 739, de julho de 2016, e 767, de janeiro de 2017. Ao todo, já foram revisados 37.323 benefícios de 108.643 pessoas convocadas por meio de carta.

INSS vai fazer "pente-fino" para revisar mais de 2 milhões de benefícios

Na avaliação do secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), Alberto Beltrame, o resultado da revisão mostra o comprometimento do governo federal em melhorar a gestão e governança dos recursos públicos. “Nosso objetivo é apenas direcionar os benefícios previdenciários a quem realmente precisa”, explica.

Do total de benefícios revisados, 11.502 foram cessados por não comparecimento; 28.872 foram cancelados na realização da perícia; 2.636 tiveram data remarcada; 547 benefícios foram convertidos em auxílios-acidente; 1.695 foram encaminhados para reabilitação profissional e 3.383 transformados em aposentadoria por invalidez.

“Estamos seguindo todos os critérios estabelecidos pela legislação para não cometer nenhuma injustiça. As pessoas podem ficar tranquilas, pois não vamos cancelar benefício de quem tem direito”, reitera Beltrame.

Revisão

No total, serão chamados 530.191 mil beneficiários com auxílio-doença e 1.175.916 aposentados por invalidez com menos de 60 anos de idade que estão há mais de dois anos sem perícia. A convocação será feita por meio de carta com aviso de recebimento. Após o comunicado, o segurado terá cinco dias úteis para agendar a perícia pelo número 135.

Operação pente-fino nos benefícios do INSS deve cortar 371 mil pagamentos

O beneficiário que não atender a convocação ou não comparecer na data agendada terá o benefício suspenso. Para reativar o auxílio, ele deverá procurar o INSS e agendar a perícia. Na data marcada para a realização da avaliação, o segurado deve levar documento de identificação com foto e toda a documentação médica disponível, como atestados, laudos, receitas e exames.