Economia Vacinação em massa é fundamental para retomada econômica, diz CNI

Vacinação em massa é fundamental para retomada econômica, diz CNI

Robson Braga de Andrade avalia que a imunização vai afastar incertezas econômicas, políticas e sociais relacionadas à pandemia

Agência Estado
CNI prevê reativação da economia com vacinação

CNI prevê reativação da economia com vacinação

Dado Ruvic/Illustration/Reuters - 11.01.2021

Em posicionamento institucional diante da nova escalada das contaminações de covid-19, tendo neste momento em Manaus (AM) o centro de maior drama por falta de oxigênio em hospitais, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) ressaltou nesta sexta-feira (15) que a vacinação em massa é "fundamental" para a retomada da atividade econômica.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, sustenta que a imunização permitirá reativar setores da economia ao proteger a saúde dos brasileiros e afastar o risco da doença, o que, consequentemente, levará ao retorno dos brasileiros às atividades diárias, assim como a recuperação do consumo e dos investimentos. À medida que a vacinação for avançando, prossegue a nota da CNI, as incertezas econômicas, políticas e sociais relacionadas à pandemia se dissiparão.

Leia mais: Saída da Ford é 'ducha de água fria' em retomada, dizem economistas

"A confiança trará novo fôlego ao consumo e à produção, o que acelerará a recuperação das perdas deixadas por esta que é uma das mais graves crises sanitária e econômica enfrentadas pela humanidade", afirma Andrade.  Ele acrescenta que a redução das incertezas a partir da vacinação permitirá ao País concentrar esforços nas ações necessárias para alcançar um ciclo de crescimento sustentado.

A CNI prevê crescimento de 4% do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano, com a indústria crescendo 4,4%. A confederação da indústria cita uma reforma tributária "ampla" e a modernização de marcos regulatórios entre as iniciativas necessárias para o País reduzir o custo de produção, melhorar o ambiente de negócios e, dessa forma, voltar a atrair investimentos.

A entidade também defende o reequilíbrio das contas públicas, com a manutenção do teto de gastos, como o caminho para elevar a confiança dos investidores e reduzir as pressões tanto sobre os juros quanto sobre a capacidade do Estado de investir.

"Um passo decisivo nessa direção seria a aprovação de uma reforma administrativa, que racionalize os gastos públicos e melhore a qualidade dos serviços prestados à população", diz Andrade.

Últimas