Reforma da Previdência
Economia Vários cenários são considerados para idade mínima, diz Marinho

Vários cenários são considerados para idade mínima, diz Marinho

Secretário especial de Previdência e Trabalho afirma que ministério ainda não decidiu sobre o tema

Previdência

Marinho disse que assunto não foi decidido

Marinho disse que assunto não foi decidido

Lucio Bernardo Jr./04.04.2017/Câmara dos Deputados

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho disse nesta quinta-feira (31) que vários cenários para a idade mínima estão sendo levados em consideração na formulação da nova proposta de reforma da Previdência, mas que ainda não houve decisão final sobre o tema.

O presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), Jonas Donizette, afirmou na quarta-feira (30) que o ministro da Economia, Paulo Guedes, havia indicado em reunião com os prefeitos para a possibilidade de as idades mínimas propostas ficarem em 57 anos para mulheres e 62 anos para homens, como citado pelo presidente Jair Bolsonaro em uma entrevista.

"O que o ministro falou foi que vários cenários foram levados em consideração, inclusive esse, mas não está fechado", disse Marinho.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a tendência é que as idades mínimas finais, após a transição, fiquem nos mesmos patamares do texto que já está no Congresso (62 anos para mulheres e 65 anos para homens), mas há no governo quem ainda defenda o fim da diferenciação e idade de 65 anos para ambos.

Marinho esteve nesta quinta na sede do Ministério da Economia reunido com Guedes e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz. A Segov é a pasta que abriga a área de comunicação do governo. O objetivo da reunião era discutir a estratégia de comunicação para a reforma da Previdência e decidir quem serão os principais porta-vozes para a proposta.

O secretário também reafirmou que os militares integrarão a proposta de reforma. "Todos os representantes (dos militares) estão falando que eles vão entrar, e o timing quem vai decidir é o presidente", afirmou.

Brumadinho

Marinho também discutiu ações que o INSS deve adotar para auxiliar famílias desabrigadas após a tragédia em Brumadinho (MG) devido ao rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale. A ideia, segundo o secretário, é anunciar as medidas na sexta-feira. "O INSS deve fazer uma ação em relação a Brumadinho, para os desabrigados daquela região", afirmou, citando possibilidade de atuar em concessão de benefícios e abono. Ele evitou dar detalhes. "Não está fechado, não. Amanhã a gente vai anunciar isso", disse.