Economia Venda de imóveis usados cresce 22,54% no primeiro semestre em SP

Venda de imóveis usados cresce 22,54% no primeiro semestre em SP

Locação de casas e apartamentos também registraram alta de 20,93% no período, segundo pesquisa do Creci-SP, feita em 264 imobiliárias da capital

Dos imóveis vendidos durante o mês de junho, 73,03% foram apartamentos

Dos imóveis vendidos durante o mês de junho, 73,03% foram apartamentos

Raquel Cunha/Folhapress

Os mercados de imóveis usados e de locação de casas e apartamentos fecharam o primeiro semestre deste ano em alta na cidade de São Paulo, com saldo positivo acumulado de 22,54% nas vendas, e 20,93%, na locação.

No primeiro semestre do ano passado, o saldo de vendas acumulado ficou negativo em 4,23%. A locação registrou saldo positivo de 12,04%, pouco mais que a metade do registrado este ano.

Os dados são do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP).  De acordo com a pesquisa, o bom resultado do semestre foi impulsionado pelas vendas de junho, quando o número de unidades comercializadas foi 27,75% superior ao de junho do ano passado.

Foi o melhor saldo em seis meses, superando fevereiro (+ 26,8%) e abril (+ 20,04%).

O  levantamento "indica a resistência e a força de superação do mercado de imóveis usados neste momento em que caminhamos para terminar o ano com um PIB crescendo menos de 1% sobre 2018, muito abaixo das previsões iniciais", afirma José Augusto Viana Neto, presidente do Creci-SP.

Dos imóveis comercializados pelas 264 imobiliárias pesquisadas pelo Creci-SP em junho, 73,03% foram apartamentos e 26,97%, casas. Esse número foi 27,75% maior que o de maio, com o índice de vendas passando de 0,2639 nesse mês para 0,3371 em junho.

Os preços do metro quadrado dos imóveis aumentaram em média 14,15% em junho comparado a maio.

Financiamento liderou formas de pagamento

Foram vendidos com financiamento bancário 61,8% dos imóveis negociados por essas imobiliárias.

As outras formas de pagamento foram a venda à vista (37,08%) e por meio de carta de consórcio imobiliário (1,12%). A pesquisa não registrou venda com pagamento parcelado por donos de imóveis.

Imóveis de até R$ 600 mil foram os mais vendidos

Imóveis com preço final de até R$ 600 mil dominaram as vendas em junho, com participação de 56,18% do total.

Por faixa de preço de metro quadrado, 49,41% das unidades vendidas custaram aos compradores até R$ 8 mil o metro quadrado.

Locação de casas em queda

Dos contratos de alugueis firmados em junho pelas imobiliárias pesquisadas, 56,32% eram apartamentos e 43,68%, casas. Houve queda de 5,82% em relação às locações contratadas em maio.

Os aluguéis novos caíram em média 2,6% em relação a maio.

Mais da metade das novas locações de junho – 52,62% do total – tem aluguel médio de até R$ 1.200.