Novo Coronavírus

Economia Vendas do comércio caem 0,2% em janeiro, 3º mês seguido de perdas

Vendas do comércio caem 0,2% em janeiro, 3º mês seguido de perdas

Resultado negativo foi guiado pela queda da metade dos setores do varejo, aponta IBGE

  • Economia | Do R7

Comércio foi afetado pelo fim do auxílio emergencial

Comércio foi afetado pelo fim do auxílio emergencial

Miguel Schincariol/AFP - 06.03.2021

Após crescer 1,2% em 2020 e fechar dezembro já livre das perdas causadas pela pandemia do novo coronavírus, o volume de vendas do comércio abriu 2021 em queda de 0,2%. Trata-se do terceiro resultado negativo consecutivo do setor.

Na comparação com o mesmo período de 2020, o varejo registrou queda de 0,3%, primeira taxa negativa após sete meses consecutivos de resultados positivos, apontam dados da PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) divulgados nesta sexta-feira (12), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para Cristiano Santos, gerente da pesquisa, o resultado é um reflexo da menor capacidade de consumo das famílias após o fim do auxílio emergencial, que levou os indicadores à estabilidade em novembro (-0,1%), uma queda em dezembro (-6,2%), e, agora, outra estabilidade em janeiro (-0,2%).

Das oito atividades investigadas, quatro tiveram taxas negativas na comparação com dezembro, influenciando o resultado de janeiro. Entre elas, aparecem os segmentos de livros, jornais, revistas e papelaria (-26,5%) e tecidos, vestuário e calçados (-8,2%).

As demais quedas vieram de móveis e eletrodomésticos (-5,9%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,6%). Já o comércio de combustíveis e lubrificantes (-0,1%) ficou estável no primeiro mês de 2021.

Por outro lado, apresentaram melhoras na passagem de dezembro para janeiro os setores de outros artigos de uso pessoal e doméstico (+8,3%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (+2,6%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2,2%) impactaram positivamente o indicador.

Na análise do comércio varejista ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, a queda do volume de vendas em janeiro foi de 2,1% ante dezembro. A segunda variação negativa seguida do índice foi puxada pelo resultado negativo do setor de veículos, motos, partes e peças (-3,6%), enquanto material de construção variou positivamente (0,3%).

“Janeiro foi um mês de repique da pandemia, com restrições de funcionamento de estabelecimentos comerciais em alguns Estados, que refletiram de maneira mais forte no setor de veículos", avaliou Santos.

Últimas