Novo Coronavírus

Economia Vendas no comércio crescem pelo 3º mês seguido em julho, aponta IBGE

Vendas no comércio crescem pelo 3º mês seguido em julho, aponta IBGE

Alta do setor foi de 5,2%, o melhor resultado para o mês desde o início da série histórica, iniciada em 2000. No ano, porém, resultado ainda é negativo

  • Economia | Giuliana Saringer, do R7

Varejo acumula queda de 1,8% de janeiro a julho

Varejo acumula queda de 1,8% de janeiro a julho

Luciano Claudino/ Código 19/ Estadão Conteúdo - 09.09.2020

As vendas no comércio cresceram 5,2% em julho frente ao mês anterior, o que representa a terceira alta mensal consecutiva do setor. 

Os dados constam da PMC (Pesquisa Mensal de Comércio), divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (10). 

Antes de julho, houve alta recorde de 13,3% em maio e de 8,5% em junho. 

Além disso, este é o maior resultado para o mês de julho da série histórica, iniciada em 2000, mostrando a redução do impacto da pandemia de coronavírus no comércio brasileiro. 

Em abril, o setor havia registrado queda recorde de 11,7%. Segundo o gerente da pesquisa, Cristiano Santos, "como o indicador despencou de fevereiro até abril, a base ficou muito baixa e essa recuperação vem trazendo todos os indicadores para os níveis pré-pandemia". 

O comércio varejista como um todo está 5,3% acima de fevereiro, quase a mesma variação de junho para julho (5,2%). Para Santos, “até junho, houve uma espécie de compensação do que ocorreu na pandemia, então em julho a recuperação já tem um excedente de crescimento". 

O IBGE diz que sete das oito atividades pesquisadas tiveram alta em julho: livros, jornais, revistas e papelaria (26,1%), tecidos, vestuário e calçados (25,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (11,4%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,1%), combustíveis e lubrificantes (6,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,0%) e móveis e eletrodomésticos (4,5%).

A única atividade que não teve crescimento no volume de vendas na passagem de junho para julho de 2020 foi hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,0%).

Em comparação a julho de 2019, o crescimento foi de 5,5%. De janeiro a julho, acumula queda de 1,8% e alta de 0,2% nos últimos 12 meses. 

Comércio por regiões

De junho para julho, houve crescimento nas vendas em 21 das 27 unidades da federação, com destaque para Amapá (34,0%), Paraíba (19,6%) e Pernambuco (18,9%).

Os locais que tiveram queda nas vendas foram Tocantins (-5,6%), Paraná e Mato Grosso (ambos com -1,6%).

Últimas