Economia Vice-presidente da Câmara faz projeções para o Congresso em 2020

Vice-presidente da Câmara faz projeções para o Congresso em 2020

Deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP) aposta na discussão de temas importantes para a indústria e o país neste ano

Congresso

Pereira discusou na 1º reunião do Conselho de Administração da Abit em 2019

Pereira discusou na 1º reunião do Conselho de Administração da Abit em 2019

Divulgação

O 1º vice-presidente da Câmara, deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP), fez nesta quinta-feira (23) um balanço da atuação do Congresso em 2019 e discutiu a agenda de trabalho dos parlamentares para os próximos seis meses.

Durante a primeira reunião conjunta do ano com o Conselho de Administração da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) e a diretoria do Sinditêxtil-SP (Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo), Pereira citou as reformas estruturantes, o Plano Mais Brasil e a mobilização da indústria têxtil como algumas das principais pautas abordadas pelo Congresso em 2020.

“Esse protagonismo se deu muito por conta da forma acertada com que o presidente Bolsonaro compôs seu ministério. Com a aprovação da modernização da Lei de Informática, da qual fui proponente, trouxemos previsibilidade e segurança jurídica para esse importante segmento da indústria brasileira”, disse o deputado.

Leia mais: Marcos Pereira reage à fala de Guedes contra subsídios

Para este ano, o republicano analisa que serão discutidas pautas robustas importantes para a indústria e o país, tais como a autonomia do Banco Central, a reforma tributária e a abertura comercial.

"Em 2020 continuaremos com a agenda reformista, que é uma pauta do governo, do ministro da economia Paulo Guedes e também do Congresso. Estou exercendo o meu primeiro mandato, mas acompanho o parlamento brasileiro por algum tempo, e vejo que esse é o parlamento mais reformista da nossa história”, disse o deputado.

Outra pauta que continuará em discussão este ano é o Plano Mais Brasil, um conjunto de medidas que foi apresentado por Paulo Guedes com o propósito de impedir novas crises das contas públicas nacionais, trazendo estabilidade fiscal à União com a apresentação de três PECs (Propostas de Emenda Constitucional) pelo Senado Federal.

Sobre o assunto, o líder republicano destacou a importância de cada uma delas para a economia do país. “A PEC emergencial permite que os governos cortem gastos e apliquem mais recursos de forma mais direta, sem necessidade de intervenção dos parlamentos.

Já a PEC dos fundos públicos visa extinguir alguns fundos inoperantes para injetar R$ 220 bilhões no caixa do governo. E por fim, a PEC do Pacto Federativo cria o Conselho Fiscal da República para ajuste fiscal e política fiscal do Brasil projetando uma injeção de R$ 400 bilhões de transferência direta para os estados e municípios nos próximos 15 anos

As medidas visam modernizar, dar mais transparência e eficiência nos gastos públicos”, disse o deputado demonstrando confiança na aprovação pelo Senado e em seguida pela Câmara.