As representações de Brasil em “Casa-Grande & Senzala” de Gilberto Freyre

Entenda o impacto da produção clássica de Freyre na historiografia e construção de uma noção de brasilidade. O post As representações de Brasil em “Casa-Grande & Senzala” de Gilberto Freyre apareceu primeiro em Blog do QG do Enem.

A definição de “clássico” nas ciências humanas refere-se a obras incontornáveis para o levantamento de uma discussão a respeito da produção intelectual referente a determinado a assunto, nem que seja objeto de críticas ou desusos. A produção de Gilberto Freyre, principalmente em sua obra “Casa-Grande & Senzala”, marcou uma viragem nos estudos referentes ao que era o Brasil.

Publicado em 1933, a obra principal de Freyre marcava um rompimento com uma literatura eugenista que marcou o final do século XIX. A noção pseudo-científica baseada na teoria do “Darwinismo Social” era traduzida às realidades brasileiras como um indicador de que a presença do negro na constituição da sociedade era um dos eixos explicativos do subdesenvolvimento. Segundo as teorias racistas da viragem para o século XX, o Brasil era atrasado devido à presença do negro.

Por mais que “Casa-Grande & Senzala” (1933) reverbere ainda um espectro fruto de sua época, Freyre é um dos primeiros intelectuais – com uma produção amplamente difundida – a apontar que o problema do suposto “atraso brasileiro” não era o negro, mas sim a experiência da escravidão. A mudança do eixo explicativo para o subdesenvolvimento do país deixava de assinalar um ponto racial e trazia à tona a experiência da escravidão como uma mazela do passado da nação.

No entanto, para Gilberto Freyre, o escravizado não possuía agência histórica. Para ele, a opressão das forças escravistas fazia com que o escravo fosse reduzido à objetificação. Esse é um dos pontos mais criticados da produção de “Casa-Grande & Senzala”, principalmente a partir das décadas de 1980 e 1990, quando trabalhos referentes à formação de família, laços de solidariedade e resistência escrava ganham mais produção na historiografia brasileira.

É importante ressaltar que essa literatura da década de 1930 estava muito preocupada – assim como em Sérgio Buarque de Holanda, por exemplo – em responder as perguntas: “por que somos subdesenvolvidos? Por que somos como somos? E como chegamos até a contemporaneidade?”. No entanto, por mais que tenha representado uma viragem em termos explicativos, a produção freyriana foi, e é até os dias atuais, muito criticada, por ser superada em diversos pontos.

Uma das críticas feitas à obra “Casa-Grande & Senzala” é o seu elogio à colonização portuguesa. Para Gilberto Freyre, por ser um povo historicamente miscigenado – a partir da experiência da ocupação de mouros na península ibérica desde a Idade Média -, os portugueses estariam supostamente mais “preparados” para a realidade da mestiçagem das Américas.

Ainda segundo seus críticos, a obra freyriana abre interpretações para uma leitura da história brasileira a partir de um mito da “Democracia Racial”. Por mais que o autor nunca tenha mencionado essa ideia de maneira explícita, a leitura de Freyre de que a sociedade brasileira seria um resultado de contribuições das “três raças principais” que marcaram o percurso histórico do país  – o indígena, o africano e o português -, esconde, segundo uma historiografia mais atualizada já no século XX, uma desigualdade de forças e uma cultura de violência racial que marca a estrutura da formação contemporânea brasileira.

Por mais que seja um clássico da produção brasileira referente as suas origens, “Casa-Grande & Senzala” precisa ser revisitada com os olhares críticos das atualizações da produção científica histórica do país. Dialogar com a pauta desse “quem somos?” em Freyre pode ser um instrumento diferenciador em diversas temáticas de redação que abordem pautas sociais nacionais, principalmente pautas raciais.

Gostou das dicas? Continue acompanhando nosso Blog do QG, clicando aqui!

O post As representações de Brasil em “Casa-Grande & Senzala” de Gilberto Freyre apareceu primeiro em Blog do QG do Enem.