Educação Com bolsa em cursinho, estudante passa em Medicina na USP

Com bolsa em cursinho, estudante passa em Medicina na USP

Fabiano dos Santos Costa se dedicou por 5 anos para conquistar seu sonho. R7 fez uma lista de cursinhos populares para ajudar alunos de baixa renda

Estudantes de baixa renda contam com apoio de cursinhos populares para passar no vestibular

Fabiano não desistiu do sonho

Fabiano não desistiu do sonho

Divulgação

Fabiano dos Santos Costa, de 23 anos, nasceu no Campo Limpo, na zona sul de São Paulo em uma família de baixa renda. Estudante de escola pública levou cinco anos para conquistar uma vaga na faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), uma das mais disputadas do país.

A mãe de Costa é diarista, o pai é ferramenteiro aposentado e estudou até o ensino médio. Fabiano é o caçula dos três filhos do casal, os irmãos cursaram universidade, mas ele é o primeiro a ingressar em uma pública.

“Frequentei uma escola muito fraca, muitas vezes não tinha professor para dar aula, teve um ano que não tive aula de biologia”, diz Costa. “Quando comecei a pesquisar sobre cursos e faculdades, mudei de escola, conheci pessoas mais informadas e passei a estudar todos os dias com foco no vestibular para medicina”, conta.

Costa se formou em 2013 e passou a procurar cursinhos populares para conseguir uma vaga em medicina. “Sabia que teria de estudar muito, recuperar o que não tive na escola, mas persisti no meu sonho, mesmo sabendo que seria difícil. Em 2016 consegui uma vaga no curso de fisioterapia da USP, mas não era aquilo que eu queria fazer e desisti, voltei a estudar para o vestibular”.

Pelas redes sociais, descobriu o cursinho Fera Anglo, fez a prova, passou por uma entrevista e conseguiu uma bolsa integral. “Minha família me deu todo apoio e não precisei trabalhar nesse período, pude me dedicar das 6h da manhã até às 22h45, quando terminava a última aula”.

Para conseguir uma bolsa no cursinho, os interessados devem levar um quilo de alimento não perecível para fazer a inscrição. Uma prova é aplicada para averiguar o conhecimento dos estudantes e o crucial é a entrevista. “Avaliamos o interesse do aluno e a condição sócio econômica, que tem um peso maior”, explica Thales Graça coordenador do Fera Anglo.

A autoestima é um ponto importante a ser trabalhado com os alunos. Como observa Graça, muitos chegam ao cursinho com o discurso de ‘não é para mim’ ou ‘é muito difícil'. “Mas quando um aluno como o Fabiano ingressa em uma boa Universidade, eles percebem que, sim, é possível e todos têm capacidade para chegar lá, com dedicação e sempre equilibrando conhecimento”.

Para quem busca um apoio para passar no vestibular, o R7 fez uma lista de cursinhos populares com preços acessíveis ou gratuitos como o Henfil: http://cursohenfil.com.br/

Voltado para afrodescendentes de baixa renda, a Uneafro tem núcleos espalhados por São Paulo e atende a 1600 pessoas por ano: http://uneafrobrasil.org/

Estudantes de diferentes faculdades da USP dão aulas com foco para preparar os estudantes para as provas do Enem e Fuvest. O foco é atender alunos que não podem pagar um cursinho e as vagas oferecidas são gratuitas ou a preços populares.

MedEnsina: http://medensina.com/
Cursinho Fea: https://www.facebook.com/cursinhofeauspsp/
Cursinho da Poli: https://cursinhodapoli.net.br/web/?lang=pt
Acepusp: https://www.cursinhopopular.com.br/
Arcadas Vestibular: http://arcadasvestibulares.com.br/
Cursinho da Psicologia: https://cursinhopsico.herokuapp.com/
Cursinho da FFLCH: https://www.facebook.com/cursinhodafflch/