Enem 2018
Educação Enem: provas de exatas devem ser apenas técnicas, dizem professores

Enem: provas de exatas devem ser apenas técnicas, dizem professores

Com 30 minutos a mais do que a edição passada, os candidatos devem esperar uma prova que contextualize as questões à realidade do país

Dicas 2º dia Enem 2018

Segundo e último dia do Enem terá provas de Matemática e Ciências da Natureza

Segundo e último dia do Enem terá provas de Matemática e Ciências da Natureza

Pedro Vitorino / Estadão Conteúdo / 04.11.2018

No segundo e último dia do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2018, os candidados farão as provas de Matemática e Ciências da Natureza. Neste domingo (11), os estudantes ganharão mais 30 minutos para concluir o exame. 

prova de Linguagem e Ciências Humanas foi considerada bastante atual e sofisticada e, por isso, professores pensam que o mesmo poderia ser aplicado no exame de exatas.

“Penso que a proposta de fazer provas que medem habilidades e competências, focalizando a atualidade e relacionando realmente com a vida do aluno tornaria a prova de exatas mais sofisticada também”, diz o professor de química e doutorando em educação Ricardo Costa.

No entanto, nesta edição ainda espera-se uma prova técnica e com bastante correlação entre diversos conteúdos estudados ao longo do ensino médio. O R7 conversou com três professores de exatas e reuniu algumas dicas que podem ajudar você na prova deste domingo.

O que esperar das provas de exatas?

O professor Costa acredita que a prova de química será de dificuldade média e exijirá do candidato a memorização de conteúdos como as ligações químicas, sejam elas iônicas, covalentes ou intermoleculares. Como a química estuda as substâncias, suas propriedade e transformações, o professor também aposta em questões que envolvam cálculos estequiométricos, que tratam da transformação química.

Quanto as propriedades químicas, Costa acredita que outros cálculos como de molaridade, densidade e concentração também têm grandes chances de cair no exame, assim como transformações em forma de eletricidade (pilhas) e de produção de calor (combustão). "As substâncias orgânicas também serão um assunto da prova, como hidrocarbonetos (petróleo) e álcool (etanol) que são fontes energéticas importantes no mundo atual. Além dos plásticos, que se tem discutido muito em relação à reciclagem, vide os canudinhos de refrigerante."

A prova de física deste ano deve ter temas clássicos, mas com questões que envolvam assuntos atuais das ciências. Segundo o professor de física do Curso Poliedro São Paulo e Campinas, Venerando Santiago de Oliveira, os temas com maior incidência no Enem são: ondas e fenômenos ondulátórios, mecânica dos movimentos e do equilíbrio, fenômenos elétricos e magnéticos com destaque para produção e consumo de energia elétrica, fenômenos térmicos, energia e potência mecânica.

Mas para o professor, os temas não virão fora de contexto, mas sim relacionados a assuntos atuais, como a nova corrida espacial e a colonização da Lua e de Marte. "Na prova, questões de gravitação, envolvendo lançamento e operação de satélites, bem como questões interdisciplinares envolvendo o comportamento biológico no espaço seriam bastante naturais de serem encontradas." 

Ele também acredita em questões que relacionem fenômenos eletromagnéticos à disseminação e uso de tecnologias de comunicação remota. Questões de mecânica podem aparecer em temas de mobilidade com carros elétricos, trens e carros autônomos, túneis de alta velocidade, veículos aéreos, trens e aviões de altíssima velocidade.

Apostando na alta tecnologia, o professor de física acredita em temas como robótica e a similaridade dos robôs aos humanos, tratando temas de eletricidade e aspectos biológicos; o uso de drones e a nanotecnologia.

Na área da biologia, o professor do Curso Anglo João Carlos Coelho tem certeza que terá questões de ecologia e fisiologia humana. "O Enem contextualiza, é uma maneira mais agradevel de fazer perguntas. Você tem um conhecimento científico, onde ele está inserido no seu dia a dia e no contexto do Brasil?"

Pensando nessa contextualização, o professor aposta em febre amarela, por exemplo. Como a morte de vários macacos pode ser explicada pela seleção natural e como a morte deles afeta a cadeia alimentar, já que eles não poderão mais espalhar sementes prejudicando a vegetação.

Os agrotóxicos também podem ser abordados na prova, relacionando o uso desses defensivos agrícolas com a biorremediação e a fitorremediação, práticas que usam microorganismos (fungos e bactérias) e plantas para descontaminarem os solos. Em Mariana, por exemplo, plantas foram colocadas na região com a intensão de descontaminar o solo cheio de ferro e manganês que vieram com a quebra da barragem. Essa "limpeza" do solo permite que a vegetação local consiga nascer de novo.

Ainda sobre os agrotóxicos, o exame pode pedir questões que queiram saber sobre a concetração desses poluentes ao longo da cadeia alimentar. Aplica-se no solo, vai para a água, para algas, para peixes, para quem consome peixes e etc, até chegar no topo da cadeia, onde a concetração é maior.

"O Enem é a prova que mais perguntou de biodiversidade, compostagem, bioremediação e biodigestor", mas se fosse para escolher um desses temas, o profesor Coelho apostaria em compostagem.

Já a prova de matemática, deve manter o padrão usado há alguns anos e pedir temas que costumam cair nas provas como razão e proporção, funções, geometria, estatística e probabilidade. “O exame exige bastante conhecimento técnico da matemática, dentro do pano de fundo das situações-problema [problemas de matemática]” explica o professor de matemática do Anglo Thiago Dutra de Araújo.

Não fique nervoso e vá com calma

Aproveite que neste ano o MEC (Ministério da Educação) e o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) deram 30 minutos a mais para resolver as questões e não se desespere. Planeje sua prova dentro das 5h disponíveis, resolva as 90 questões, mas não se esqueça de guardar um tempo para preencher o cartão de resposta. Rasuras não são aceitas e descontam pontos candidato.

Redação do Enem: o que você não pode esquecer neste domingo

Os três professores recomendam bastante calma para esse último dia de exame. “Realmente diria para ser confiante e tranquilo. A possibilidade de fazer uma boa prova vem de você conseguir raciocinar e se expressar bem”, aconselhou o professor Costa.

O professor de biologia Coelho recomenda que os candidatos levem sementes como amendoim, castanha de cajú e do pará, alimentos que dão uma sensação de saciedade prolongada, vai demorar mais para você sentir fome. Um chocolatinho também não faz mal, pois além de saciar a fome, como as sementes, dá uma acordada e uma energizada para finalziar a prova.

Mas além das dicas de calma e confiança no que se estudou durante todo o ano, o professor de física Oliveira recomenda que os candidatos não cometam extravagâncias na véspera. “Não altere sua rotina de convívio, refeições e sono.”

Além disso, Oliveira alerta que os cálculos devem começar assim que o estudande sair de casa. “Planeje-se com sobra de tempo no deslocamento até o local de prova, já conhecido, para não acrescentar mais tensão antes da prova.”

"O Enem não é prova de pegadinha, não tem armadilha nenhuma. É uma prova honesta e as questões estão lá para avaliar quem estudou e se preparou, quem fez isso não vai mal", disse o professor de biologia Coelho.

Arte R7