Novo Coronavírus

Educação "Meu filho se sente sobrecarregado e frustrado", diz mãe em post

"Meu filho se sente sobrecarregado e frustrado", diz mãe em post

Para especialista, questão sócio emocional deve ser trabalhada mesmo durante as aulas online neste período de quarentena

  • Educação | Karla Dunder, do R7

Ana Carolina e Lívia: dificuldades na quarentena

Ana Carolina e Lívia: dificuldades na quarentena

Arquivo Pessoal

O vídeo de um menino chorando durante as aulas online viralizou nas redes sociais. A mãe postou no Facebook o momento que seu filho de 10 anos se desespera diante das atividades escolares realizadas em casa nesse período de quarentena por conta do novo coronavírus. No post, ela descreveu o filho como "completamente sobrecarregado e frustrado".

É possível ouvir o choro da criança atrás da porta:

Ana Carolina, Ferreira mãe da pequena Lívia Perera Ferreira, de 6 de anos, conta que a filha ficou muito triste neste período de pandemia. "Nós cumprimos o isolamento social, mas muitas pessoas do prédio onde moramos, não", diz Ana Carolina. "Lívia via as crianças brincando e ficou muito chateada por não poder ir. Tivemos de explicar que todos deveriam ficar em casa."

Leia mais: Contar história estimula a alfabetização na quarentena

Além do isolamento em si, Lívia mudou de escola neste ano e precisou se adaptar ao novo colégio e aos novos colegas.

"Ela começou a chorar sem motivo, não queria assistir as aulas, não queria acordar e ficava um pouco agressiva, bem deprimida", explica a mãe.

Ana, que também tem um bebê de um ano e um mês, acompanha as aulas com a filha. Apostou em brinquedos e atividades em casa e jogos online para que a filha pudesse interagir com os amigos. "Agora, que a situação está um pouco melhor, temos feito caminhadas na praça, usando máscara, claro, mas até dá para tomar um sorvete", diz.

A professora também tem ajudado nesse processo, quando percebe que a turma está cansada abre espaço para brincadeiras durante as atividades online e coloca música e dança no final da aula. "A escola também entendeu o momento e está mais flexível, enviando menos lições para casa."

Para Marina Fortes, da área de Currículo e Avaliação da Somos, é importante que as crianças mantenham o vínculo neste momento. "O contexto social e emocional está prejudicado de uma maneira geral por conta da pandemia, por isso é importante que os alunos mantenham a rotina", explica.

Seguir os horários das atividades, ter sono regular, atividades físicas ajuda neste momento. Mas Marina destaca "que olho no olho, entre aluno e professor, mesmo que no ambiente virtual, é muito importante."

Leia mais: Em quarentena, crianças desenham o que mais sentem falta

"Os momentos de acolhimento são fundamentais em todas as etapas do ensino", avalia. "Também é importante manter a comunicação clara, não só com os alunos, mas como a família, ter essa proximidade para que haja apoio aos estudantes." 

Últimas