Novo Coronavírus

Educação Movimento Escolas Abertas quer volta presencial das aulas em SP

Movimento Escolas Abertas quer volta presencial das aulas em SP

Grupo cobra revisão de decisão judicial desta quinta-feira (28) que suspendeu o retorno presencial dos estudantes no estado

  • Educação | Do R7

Secretário da Educação, Rossieli Soares, participa de evento sobre a volta às aulas

Secretário da Educação, Rossieli Soares, participa de evento sobre a volta às aulas

Governo do Estado de São Paulo - 13.01.2021

O Movimento Escolas Abertas, grupo formado por pais de estudantes, emitiu uma nota, na noite desta quinta-feira (28), na qual afirma ter ter recebido com surpresa a notícia de que o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) decidiu suspender, em caráter liminar, o retorno presencial às escolas do estado — após pedido feito pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo).

O Movimento, por intermédio dos autores de ação popular, revelou que está tomando as medidas judiciais cabíveis para reverter a decisão judicial. "Pediremos nesta sexta-feira [29] a reunião das ações num mesmo juízo, para que todos os interessados, inclusive os pais, mães e próprios alunos, passem a ter voz ativa na tomada das decisões judiciais referentes ao retorno das aulas presenciais no Município de São Paulo", diz trecho do comunicado da entidade.

A decisão não faz referência ao decreto municipal, publicado nesta quinta, que autorizou a volta das aulas presenciais na cidade de São Paulo a partir de 1º de fevereiro. A liminar refere-se ao Decreto 65.384, de dezembro do ano passado, que autorizava a retomada de aulas e atividades escolares presenciais nas escolas públicas e privadas mesmo nas fases mais restritivas do plano de flexibilização da quarentena (laranja e vermelha).

"Como qualquer movimento legítimo, pregamos o respeito a Justiça. Mas assim como afirmou hoje o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, o Movimento Escolas Abertas também recorrerá da liminar, por entender que o estado e a Prefeitura de São Paulo adotaram todas as medidas necessárias para que esse retorno às aulas presenciais seja feito com toda a segurança para alunos, pais e professores."

O grupo entende ainda que as escolas são uma atividade essencial e decisões quee impeçam o retorno às aulas trazem prejuízo à sociedade como um todo.

Últimas