Educação Pais entram na Justiça pela abertura das escolas em São Paulo

Pais entram na Justiça pela abertura das escolas em São Paulo

Movimento Escolas Abertas pede a retomada gradual das atividades escolares de forma segura na capital e o cumprimento do Plano São Paulo

Escolas estão com as atividades suspensas desde março por conta da pandemia

Escolas estão com as atividades suspensas desde março por conta da pandemia

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com o fechamento prolongado das escolas em São Paulo, as atividades presenciais foram suspensas em março por conta da pandemia de coronavírus, pais se reuniram no Movimento Escolas Abertas e entraram com uma ação popular contra a prefeitura de São Paulo.

O grupo pede a retomada gradual das atividades e com segurança tanto na rede pública como privada. "Pedimos que a prefeitura de São Paulo siga o Plano São Paulo estabelecido pelo governo estadual e retome as aulas, mesmo que de forma parcial, com número restrito de alunos," explica a porta-voz do Movimento, Isabel Quintela, mãe de três filhos.

Volta às aulas: retomada é lenta e marcada por ações na Justiça

"Não queremos a abertura a qualquer custo, mas com segurança, pedimos que a prefeitura se organize nesse período de férias oferecendo treinamento a toda a comunidade escolar e prepare as escolas seguindo os protocolos sanitários", diz.

O Movimento Escolas Abertas publicou um manifesto nas redes sociais e já colheu mais de 31 mil assinaturas. No texto, os pais destacam "que a manutenção das escolas fechadas vem causando danos de longo prazo a toda uma geração e significa clara ameaça ao direito à educação das crianças e jovens paulistanos."

Entre os danos causados a crianças e adolescente os pais destacam a fome, os danos físicos, os psíquicos e o aumento das taxas de evasão escolar, principalmente para crianças em áreas de maior vulnerabilidade social, sem acesso à internet.

O Movimento também conta com o apoio de pediatras que pedem a retomada das atividades escolares.

"Vivemos um momento de inversão de valores, temos shopping, bares e festas abertas e com aval do governo, mas as escolas estão fechadas e o custo disso será muito alto para toda a sociedade", conclui Isabel.

Últimas