Primeiros alunos já começam a deixar os locais de prova

Após 2h do início do segundo dia de Enem, candidatos comentam questões

Alunos deixam local de prova no segundo dia do Enem
Alunos deixam local de prova no segundo dia do Enem Edu Garcia/R7

Após duas horas do início das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) neste domingo (12), candidatos já começaram a deixar os locais do exame — sem presenciar a badalação dos que estavam lá apenas para zombar dos atrasados sendo barrados. Os portões fecharam às 13h, as provas começaram às 13h30 e os alunos podem sair a partir das 15h30. Os estudantes têm até as 18h para concluir a avaliação.

A primeira pessoa a sair do local de prova na Uninove da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, foi Giovanna Maraschi Santos, de 17 anos.

Com sinceridade, a candidata, que pretende fazer faculdade de psicologia, definiu as 90 questões de Matemáticas e suas tecnologias e Ciências da Natureza. "Eu não estava entendendo quase nada, mas tudo bem", reconheceu

A estudante lembra que a prova de matemática foi a mais difícil do segundo dia de provas. "Tinha exercícios muito fáceis, que eram pegadinhas, mas davam para fazer."

Na sequência saiu Gustavo Costa, de 16 anos. Ele afirma, brincando, ter "chutado mais do que Pelé" no exame. O estudante que pretende ser nutricionista, mas ainda não tem certeza. "Matemática, eu que sou ruim, acho que fui bem", diz o estudante, que considerou o segundo dia de prova melhor do que o primeiro.

Francisco Félix, de 18 anos, que pretende fazer faculdade de direito, definiu a prova como "mediana" e também considerou seu desempenho melhor neste domingo (12) do que o da semana passada. Félix revela que ficou esperando para sair: "Eu já tinha terminado, fiquei esperando uma meia hora."

Para o professor de Ciências da Natureza, Felipe Riberio, do COC, a prova foi bem equilibrada. "Esperava um exame mais complexo.  Acho que o aluno que estudou e se preparou bem não teve dificuldade", acredita. Segundo o professor, a prova de biologia teve perguntas de ecologia como os poluentes na cadeia alimentar e o impacto do ser humano no meio ambiente e a piracema. Em física, houve muitas questões ligadas à elétrica. Em química ,a eletroquímica e mistura de materiais dominaram as questões 

"A prova de matemática estava muito bem contextualizada com assuntos do cotidiano para depois entrar em cálculos. Também é preciso destacar que estava muito bem equilibrada com questões de cálculo e de raciocínio", observa Ribeiro. 

Kelly da Silva, de 17 anos, uma das estudantes do Grajaú que chegaram ao local da prova por volta das 10h20. "Eu achei algumas partes, que eu já tinha visto na escola, fáceis." A estudante que ainda não sabe qual faculdade ingressar conta que teve mais facilidade com química é mais dificuldade com matemática.

Expectativa

A estudante Larissa Oliveira de Moura, 21 anos, foi a primeira a deixar o local de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no campus Pinheiros da Universidade Paulista (Unip). Ela saiu às 15h30, assim que os portões foram abertos.

Para a jovem, que pretende estudar gastronomia, a prova foi difícil. “Foi um pouco difícil porque eu não sou muito boa nessa área de matemática e química, mas eu fiz o que pude e dei o meu melhor. Espero que dê certo”, disse.

Apesar da dificuldade de hoje, ela conta que achou a prova deste ano mais fácil que a do ano passado. A expectativa dela é ter conseguido nota suficiente nas provas deste ano.

O estudante Luis Augusto Calvo, 26 anos, também foi um dos primeiros a deixar o local da prova. Essa é a segunda vez que ele presta o Enem. “Estava fácil. Matemática estava um pouco mais difícil, mas de resto, tranquilo”, disse o candidato que pretende conseguir uma vaga para o curso de fisioterapia.

A candidata Carla Cristina de Paula Messias, 27 anos, fez o Enem pela quinta vez.  “Estou tentando voltar para a faculdade no curso de fisioterapia”, explicou.

Para ela, a prova mais difícil de hoje foi a de química. “De forma geral, para quem estudou, a prova estava razoável. Para quem veio sem nenhum preparo, estava muito difícil. Mas quem ralou o ano inteiro, consegue tirar boa nota”, disse.

Ela acredita ter se saído bem nas provas. “Creio que no próximo ano vou conseguir voltar a estudar.”

A estudante Bruna Pavanelli, 22 anos, que tenta uma vaga para biomedicina, disse que a prova mais difícil foi a de física, por causa das fórmulas. “Achei a prova muito tranquila. O jogo de cintura era fazer os cálculos e deixar as alternativas por último, já que era questão de leitura mesmo”, disse. “Acho que fui bem no geral”, disse a jovem que faz o Enem pela segunda vez.

No Rio de Janeiro

No Rio, duas horas depois do início das provas, na Universidade Estácio de Sá, João Paulo Gomes, de 20 anos, era um dos mais confiantes ao sair do Enem. Ele está tentando vaga para medicina. “A prova estava boa. Dá para passar. O nível de dificuldade está bem menor que na primeira”. João veio vestido com a camisa do seu clube de futebol do coração, o Vasco, “para dar sorte”.

Pamela Araújo Nascimento, de 20 anos, está cursando relações internacionais na própria Estácio de Sá e quer passar no Enem para pedir transferência para a Universidade do Grande Rio (Unigranrio) ou tentar conseguir uma bolsa de estudos. “Hoje estava muito difícil. Matemática estava ok, mas química e física estavam muito difíceis”. Esse é o quinto Enem que Pamela faz.

A professora Janielle Ferreira, de 24 anos, formada em pedagogia, quer tentar agora entrar na faculdade de letras para cursar inglês. Este é o seu segundo Enem. “A prova hoje estava super difícil, principalmente química. Matemática tinha muita coisa que dava para ir. Mas química tinha muitas fórmulas.”

Veja como ficaram os atrasados em São Paulo: