Professoras usam fantoches para ensinar durante a pandemia

Bonecos apresentam, para as crianças do 2º ano do ensino fundamental, as famosas letras cursivas e conteúdo de matemática

audima
Bonecos auxiliam crianças no processo de aprendizado da letra cursiva
Divulgação

As professoras Regina Balderrama e Luciana Facincani se viram diante de um desafio neste período de pandemia: como ensinar aos alunos do 2º ano do ensino fundamental da letra cursiva? 

Leia mais: Pais contam como dão mais valor a professores dos filhos no isolamento

"Normalmente começamos a ensinar a letra para as crianças em abril, com a quarentena, decidimos atrasar esse processo", conta Regina. "Mas chegou em um momento que não teria como postergar."

Aprender a letra cursiva é um marco no processo de alfabetização. "As crianças e as famílias ficam na expectativa e é um processo que costumamos trabalhar em etapas: as crianças fazem o movimento no ar, depois na mesa e quando os alunos têm dificuldade, pegamos na mão da criança", explica Luciana.

Leia mais: Professores falam de suas angústias nesse período de quarentena

Publicidade

Como resolver essa questão nas aulas online? A solução encontrada pelas professoras foi usar fantoches para começar a falar do assunto. "Uma forma lúdica de apresentar as letras, as crianças ficam na expectativa para assistir o vídeo, ouvir as histórias e prestam mais atenção na explicação", avalia Regina.

Fantoches tornam o aprendizado na pandemia mais divertido
Divulgação

As professoras também usaram a criatividade para gravar os vídeos. Foram elas que criaram os roteiros e contaram com apoio da família para gravar e editar conteúdo. São cinco módulos que são apresentandos nas aulas online e a gravação fica disponível na plataforma usada pelo colégio, o Arquidiocesano, em São Paulo.

Os fantoches servem como uma espécie de apresentadores de cada atividade e mexem com o imaginário das crianças. Já era usado para apresentar conteúdos nas aulas de matemática.

"Temos acompanhado atividades que os alunos enviam e também conversamos com os pais, que retornam dizendo que as crianças amam as histórias, ficam esperando o momento da aula para ver os bonecos", conta Luciana.

Com a resposta das crianças, as bonecas devem ficar para novas aventuras de aprendizado.

Ir para versão mobile