Novo Coronavírus

Educação "Quero pacificar e ouvir a todos no MEC", diz Milton Ribeiro 

"Quero pacificar e ouvir a todos no MEC", diz Milton Ribeiro 

Ministro da Educação participa de reunião no Congresso e diz que MEC prepara protocolo de biossegurança para a volta às aulas presenciais

  • Educação | Karla Dunder, do R7

Ministro Milton Ribeiro em reunião no Congresso

Ministro Milton Ribeiro em reunião no Congresso

Isac Nóbrega/PR - 16.07.2020

O ministro da Educação participa nesta quinta-feira (17) de uma reunião da comissão mista do Congresso Nacional que fiscaliza as ações do governo federal referentes à pandemia de coronavírus.

O ministro começou sua apresentação rebatendo críticas sobre sua atuação à frente do MEC: 

"Quanto às críticas sobre a minha falta de posicionamento, prefiro ter um perfil mais low profile em relação à mídia, mas gostaria de apresentar um resultado à sociedade," disse. "Quero pacificar, ouvir a todos, não quero que o MEC viva em um embate, estou aberto a ouvir as opiniões contrárias sempre, respeitando o projeto inicial que fez a vitória e eleição do presidente Bolsonaro", completou.

"Sou conservador, mas quero dar oportunidade para pessoas que tenham uma visão diferente de serem ouvidas."

Volta às aulas

Milton Ribeiro foi chamado para falar sobre as estratégias para o retorno às aulas presenciais e sobre a implantação do novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) a partir de 2021. A audiência pública foi solicitada pelo deputado João Campos (PSB-PE).

"Pesquisamos a situação de vários países e vemos que temos as mesmas dúvidas e preocupações de diversos paises e ninguém tem uma resposta definitiva sobre covid e retorno às aulas", disse Ribeiro. 

O ministro destacou o envio de R$ 525 milhões, recurso que será enviado direto para escolas para a compra de suprimentos de higiene e desinfecção de ambientes no programa "Dinheiro Direto na Escola".

Esses recursos devem atender 116,7 mil escolas da educação básica, que atendem a 36,8 milhões de estudantes em todo o Brasil.

"Estamos elaborando um protocolo de biossegurança para as escolas de educação básica, com apoio do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação)", afirmou.

O deputado Felício Latércia (PSL-RJ) questionou o ministro como as aulas serão retomadas e se voltarão ainda neste ano. "Estamos empenhados a caminhar para o retorno observando os protocolos de biossegurança com apoio aos Estados e municípios", respondeu o ministro.

"Se dependesse de mim, as aulas voltariam amanhã", disse. "Temos de considerar as questões de segurança e também o MEC não tem poder para isso, mas estamos colocando à disposição dos municípios para o retorno mais breve possível."

Segundo Ribeiro, o MEC tomou algumas iniciativas com relação às universidades federais e institutos, "fizemos paineis que são atualizados com o detalhamento e transparência do acompanhamento que estamos fazendo", explicou.

O ministro voltou a destacar a importância da valorização dos professores e a política de salários.

Cortes

Questionado sobre o corte de R$ 1,6 bilhão pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-AM), o ministro afirmou que foi pessoalmente ao Planalto para reverter a situação. "Os gestores anteriores não utilizaram os valores, um valor parado que foi realocado, esses valores impactaram a educação de tempo integral e tem dado o melhor resultado até mesmo no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)".

Últimas