Termina hoje prazo dado pelo MEC para que estudantes desocupem escolas

Aos menos 182 locais de prova estavam ocupados; Enem pode ser cancelado nesses lugares

Segundo movimento, mais de 800 escolas estão ocupadas no PR

Segundo movimento, mais de 800 escolas estão ocupadas no PR

Arquivo Pessoal

Termina nesta segunda-feira (31) o prazo dado pelo MEC (Ministério da Educação) para que os estudantes deixem as escolas, universidades e institutos federais ocupados em protesto contra medidas tomadas pelo governo federal. Caso isso não ocorra, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) será cancelado nessas localidades.

De acordo com o último balanço da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) são 1.177 locais ocupados em todo o País. Não há um balanço nacional oficial. Os números locais, no entanto, são diferentes. É o caso do Paraná, por exemplo, onde a Ubes diz que há 843 estabelecimentos. enquanto a Secretaria de Educação fala em 491.

Conforme o último balanço do MEC, divulgado há quase duas semanas, 182 locais de prova estavam ocupados e mais de 95 mil candidatos deveriam fazer o exame nesses espaços.

Os estudantes que fazem as ocupações são contra a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241/2016. A PEC limita os gastos do governo federal pelos próximos 20 anos. Estudos mostram que a medida pode reduzir os repasses para a área de educação que, limitados por um teto geral, resultarão na necessidade de retirada recursos de outras áreas para investimento no ensino. O governo defende a medida como um ajuste necessário em meio à crise que o país enfrenta e diz que educação e saúde não serão prejudicadas.

Mais de mil escolas estão ocupadas por estudantes no País

Eles também são contra a reforma do ensino médio, proposta pela MP (Medida Provisória) 746/2016, enviada ao Congresso. Para o governo, a proposta irá acelerar a reformulação da etapa de ensino que concentra mais reprovações e abandono de estudantes. Os alunos argumentam que a reforma deve ser debatida amplamente antes de ser implantada por MP, que começa a vigorar imediatamente.

De acordo com o MEC, o prazo dado "é para que ainda haja tempo hábil para realização das provas nos locais. Caso as ocupações sejam mantidas, prejudicando os alunos que fariam prova nesses locais, o Inep [Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Aníseio Teixeira] terá de fazer a prova em outra data para aqueles estudantes que não conseguiram. Não há data definida porque o MEC ainda aguarda que o bom senso prevaleça", diz o ministério por meio da assessoria de imprensa.