Eleições 2014 Em nota, PT tenta afagar PSB após saída do governo, mas despreza possível candidatura socialista em 2014

Em nota, PT tenta afagar PSB após saída do governo, mas despreza possível candidatura socialista em 2014

Comunicado divulgado pelo partido diz que disputa presidencial será com o PSDB 

PT divulga nota para afagar PSB após saída do governo e diz que disputa pela Presidência em 2014 será contra o PSDB

PSB de Eduardo Campos deixou o governo federal na última semana

PSB de Eduardo Campos deixou o governo federal na última semana

Antônio Cruz/27.06.13/ABr

O PT divulgou nesta segunda-feira (23) uma nota de esclarecimento sobre a saída do PSB do governo federal. Após o presidente do partido, Eduardo Campos, ter se reunido na última quarta-feira (18) com a presidente Dilma Rousseff para oficializar a saída, o partido ficou mais "independente do governo" mirando as eleições de 2014.

Mesmo tentando afagar o PSB no comunicado, o PT acabou desprezando a possível candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República. Isso porque o partido da presidente Dilma Rousseff não abriu espaço, no comunicado, para pensar que a disputa presidencial envolverá outras legendas, além de PT e o grupo tradicionalmente representado pela oposição (PSDB, DEM e PPS).

— Esperamos que o PSB se mantenha ao lado do projeto de mudanças que estão em curso no País", diz a nota do PT, em claro tom de polarizar mais uma vez as eleições presidenciais.

Campos confirma saída do PSB do governo para "ficar à vontade" em 2014

PSB entrega cargos no governo; líder do partido diz que há desejo de candidatura própria à Presidência

Como o PSB insistirá na pré-candidatura de Campos, os ítens 1 e 2 do comunicado oficial do PT devem desagradar ao partido socialista. Essa indisposição pode trazer preocupação ao governo, já que o PSB tem 27 dos 513 deputados e quatro dos 81 senadores, portanto, qualquer contratempo entre o PT e o PSB pode representar uma baixa considerável nas fileiras da base parlamentar do governo.

Além dessa base parlamentar, o PSB governa nos Estados do Amapá, Ceará, Espírito Santo, Paraíba e Pernambuco.

Veja a íntegra no comunicado oficial do PT:

"A Comissão Executiva Nacional do PT, reunida em São Paulo no dia 23 de setembro de 2013, a propósito da decisão do Partido Socialista Brasileiro - PSB de deixar de participar do governo federal, decide:

1) reafirmar que tanto agora quanto nas eleições de 2014, está em jogo a mesma disputa de projetos que marcou as eleições de 2002, 2006 e 2010;

2) que, portanto, tanto no primeiro quanto no segundo turno, a disputa colocará os partidos em dois campos distintos: um deles representado pelos avanços promovidos pelos governos de Lula e de Dilma, e outro, representado pelos governos hegemonizados pelo PSDB, DEM e PPS;

3) neste sentido, esperamos que o PSB se mantenha ao lado do projeto de mudanças que estão em curso no País;

4) onde o PT decidiu participar de governos dirigidos pelo PSB, assim como onde o PSB participa de governos dirigidos pelo PT, deve prevalecer o debate programático, mantendo a diretriz de que os cargos estão sempre à disposição;

5) orientamos nossos diretórios municipais e estaduais, assim como nossas bancadas, a fortalecerem o campo democrático popular, que em 2014 deverá reeleger a companheira Dilma presidenta.

São Paulo, 23 de setembro de 2013.
Comissão Executiva Nacional do PT"