Eleições 2014 Entrega de cargos do PSB confirma Eduardo Campos como candidato nas eleições, diz cientista político

Entrega de cargos do PSB confirma Eduardo Campos como candidato nas eleições, diz cientista político

Para especialista, partido não abriria mão de ministérios se não estivesse decidido sobre 2014

Entrega de cargos do PSB confirma Eduardo Campos como candidato nas eleições, diz cientista político

Para especialista, saída do PSB confirma Campos como candidato

Para especialista, saída do PSB confirma Campos como candidato

Elza Fiúza/10.7.2013/ABr

A decisão do PSB (Partido Socialista Brasileiro) de entregar os cargos que ocupa no governo aponta que o presidente da legenda e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, está decidido a concorrer às eleições presidenciais de 2014. Esse é o entendimento do Cientista Político da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Ricardo Ismael.

Para o especialista, Campos não abriria mão de dois ministérios se não estivesse decidido sobre a candidatura.

— Não faz sentido, se ele não fosse candidato, entregar os cargos do governo.  A decisão de sair candidato está tomada. É o início dessa caminhada que vai desaguar na candidatura dele.

Leia mais notícias de Brasil

No dia 18 de setembro, o PSB entregou uma carta, assinada por Eduardo Campos, à presidente Dilma Russeff, afirmando que os cargos ocupados pelo partido estavam à disposição, mas garantido que o apoio ao governo continua.

No comunicado, Campos também afirmou que a decisão quanto à 2014 ainda não foi tomada, mas não descartou uma candidatura própria do partido.

— Esta decisão não diz respeito a qualquer antecipação quanto a posicionamentos que haveremos de adotar no pleito eleitoral que se avizinha, visto que nossa estratégia  – que não exclui a possibilidade de candidatura própria – será discutida nas instâncias próprias.

O PSB tem dois representantes no primeiro escalão do governo: Fernando Bezerra no comando do Ministério da Integração e Leônidas Cristino à frente da Secretaria dos Portos. A previsão orçamentária para as duas pastas soma R$ 9,2 bilhões em 2013.

O professor Ricardo Ismael acredita que a estratégia de Campos também tem o objetivo de evitar um constrangimento no futuro. Segundo o cientista político, o presidente do PSB pode ter antecipado a decisão de Dilma.

— Essa antecipação do Eduardo Campos foi uma jogada inteligente dele porque ele acabou se antecipando, saiu antes de “ser saído”. Poderia, lá na frente, a presidente Dilma tirar os cargos do PSB. Antes de a presidente retirar os cargos, ele se antecipou e entregou.

Apoio político

Para o cientista político da UnB (Universidade de Brasília) Otaciano Nogueira, Dilma não terá dificuldades em encontrar substitutos para os cargos que o PSB entregou. Segundo ele, essa troca até favorece o poder de barganha da presidente.

— Ela tem se mostrado hábil nessa manipulação, nessa troca de favores, troca de partidos. Isso tudo faz parte do jogo político. Isso é normal e usual em qualquer democracia. E, até agora, ela tem se mostrado absolutamente eficaz nisso.

Na última segunda-feira (23), o PT emitiu uma nota oficial para tentar afagar o PSDB, mas acabou gerando um mal-estar porque informou que a disputa à Presidência em 2014 seria como em 2002, 2006 e 2010, quando ficou polarizada entre o partido e o PSDB.