Eleições 2014 Levy Fidelix busca a Presidência de novo: “E se eu for a surpresa?”

Levy Fidelix busca a Presidência de novo: “E se eu for a surpresa?”

Com 0,06% dos votos em 2010, idealizador do "aerotrem" aposta na internet para surpreender

  • Eleições 2014 | Rodolfo Borges, do R7

"Vou ser um candidato competitivo", promete o presidente do PRTB

"Vou ser um candidato competitivo", promete o presidente do PRTB

Alexandra Martins

Candidato à Presidência em 2010, o presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, somou apenas 57.960 votos (0,06% do total) naquele ano, engrossando a lista de candidatos nanicos, que, somados, não costumam ultrapassar nem 5% do total de votos válidos. Pré-candidato ao Palácio do Planalto em 2014, Fidelix aposta nas costuras regionais para ampliar a expressão nacional do PRTB a partir do próximo ano.

— E se eu for a surpresa? De repente, um fenômeno. O povo está esgotado. Não confia nessa briga com [o senador e presidente nacional do PSDB] Aécio Neves. O Eduardo [Campos, governador de Pernambuco] vem com esse negócio de sustentabilidade da Marina [Silva, ex-senadora]. O povo brasileiro não vai querer essa linguagem monotemática.

Enquanto articula candidaturas em 12 Estados, o presidente do PRTB aposta também nas redes sociais para superar o pouco mais de um minuto de exposição da legenda na propaganda eleitoral gratuita de tevê.

— Como não temos espaço disponível nas grandes mídias, nossa estratégia se foca naturalmente na internet. Fizemos a primeira tevê [virtual] de um partido político. Já venho treinando para entender a linguagem do internauta. Sou eu o profissional, o jornalista e o candidato, o que facilita muito. Quando entro no Twitter, todo mundo vem [conversar]. Fico respondendo de madrugada, às vezes, a 200 pessoas, até sobre a pintura do meu bigode.

PRTB planeja quintuplicar número de deputados em 2014

Leia mais sobre Eleições 2014

Plataforma

Fidelix pretende focar sua campanha em temas dos quais trata há anos em suas muitas candidaturas, mas, agora, num posicionamento de centro-direita mais bem definido. Ele diz querer ocupar um nicho vago desde as candidaturas de Enéas Carneiro, parecido “ao que o PFL era, mas sem os exageros”.

Famoso pela proposta do “aerotrem” — que ele acusa o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, de ter copiado —, Fidelix desdenha das últimas pesquisas Datafolha e Ibope, que não envolvem seu nas pesquisas de intenção de voto para 2014, e pretende insistir no tema da mobilidade urbana.

— Falo há 15 anos de mobilidade urbana. Tenho dado propostas ao Brasil. Dilma está tocando meu projeto de desonerar a cesta básica. Não vou combater e atacar o Bolsa Família, mas requerer que [o programa] se qualifique. Tem de dar contrapartida. Também acho que temos de inverter essa ótica perversa que vem ditando a regra do desenvolvimento do Brasil. Sou pelo apoio à agricultura, ao comércio e à indústria. Vou ser um candidato competitivo.

Últimas