Eleições 2014 Marina acredita que ficam dúvidas sobre leilão de Libra

Marina acredita que ficam dúvidas sobre leilão de Libra

Ex-senadora questionou em que área serão usados os R$ 15 bilhões que governo recebeu

Marina acredita que ficam dúvidas sobre leilão de Libra

A ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse que sobraram muitas dúvidas quanto ao leilão de Libra realizado nesta segunda-feira (21).

Sem concorrência, o consórcio formado por Petrobrás, as chinesas CNOOC e CNPC, a francesa Total e anglo-holandesa Shell arrematou a área, com uma proposta de pagamento de 41,65% do lucro em óleo para a União.

— Um leilão que só tem uma proposta, a gente fica na dúvida se de fato foi um leilão.

Após aliança com Campos, Marina Silva nega objetivo de ocupar Palácio do Planalto

Leia mais notícias de Eleições

Marina também questionou em que área serão usados os R$ 15 bilhões que o governo ganhou com o leilão.

— Esse recurso vai para onde? Vai para educação? Acho que não. Vai para fechar o superávit primário, já que o governo está tendo problema? Está tendo muitas interrogações.

Conhecida por sua militância na causa ambiental, Marina disse, no entanto, que o "petróleo ainda é um mal necessário", pois não há fontes de energias renováveis suficientes para suprir a demanda atual.

— Nossa matriz energética é baseada no uso de petróleo, carvão e gás. Hoje nós não temos como trocar essa fonte.

Ela defendeu ainda investimentos em novas formas de produção de energia. Marina foi a convidada do programa Roda Viva, da TV Cultura, para falar da sua recente filiação ao PSB e o apoio ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos, na corrida presidencial em 2014.

A ex-ministra voltou a defender que fez uma aliança programática com o PSB e que ainda não está definido se ela será a vice da chapa.

Ela também afirmou que não houve erro de estratégia ao planejar a criação da Rede Sustentabilidade e voltou a culpar os cartórios pela rejeição do pedido de registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Marina também disse que as críticas que fez o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) deixar a aliança com o PSB não se estende ao agronegócio. Caiado é um dos líderes da bancada ruralista da Câmara.

— Há agronegócio e agronegócio. Mas é claro que existem aqueles que fazem questão de manter o olho no retrovisor para o século 19.