Eleições 2014 Russomanno volta à TV e diz que é candidato em 2014

Russomanno volta à TV e diz que é candidato em 2014

Ex-candidato deve ser lançado como deputado

Russomanno volta à TV e diz que é candidato em 2014

Derrotado no primeiro turno da disputa pela Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB), marca sua volta à televisão na próxima segunda-feira (26), e já adiantou que será candidato em 2014 pelo partido.

Ele, no entanto, disse que ainda discute com a cúpula que cargo pleiteará nas próximas Eleições.

— Sou candidato em 2014. O cargo que vou ocupar ainda não está definido.

Segundo interlocutores, o projeto político do PRB é lançar a candidatura de Russomanno a uma vaga na Câmara dos Deputados para puxar votos para a sigla e não lançá-lo para disputar o governo do Estado.

Leia mais notícias de Brasil no portal R7

A postura do PRB pode ser um gesto de apoio do partido à reeleição do governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB) em 2014 — o PRB compõe a base governista da presidente Dilma Rousseff (PT) com o Ministério da Pesca.

Os tucanos também acreditam que Russomanno não saia como candidato ao governo nas próximas Eleições.

Na corrida em São Paulo, Alckmin quer evitar que Russomanno e o seu capital político, adquirido durante a campanha deste ano, apoiem o PT.

Russomanno confirmou ter se encontrado com o governador no começo de outubro, mas afirmou não ter falado sobre política, ou negociado cargos.

Defesa do consumidor

Em seu retorno à TV, Russomanno reassume o quadro "Patrulha do Consumidor", a partir da próxima segunda-feira (26) veiculado no Programa da Tarde, da Rede Record.

Antes de se candidatar, o quadro integrava o programa Balanço Geral, transmitido pela manhã.

Nesta semana, Russomanno postou uma foto no Facebook com a seguinte mensagem: "Estou voltando com força total! Agora com meus amigos do Programa da Tarde da Record. Quem está feliz como eu, curte a foto e compartilha!", escreveu.

Líder das pesquisas de intenção de voto durante quase todo o primeiro turno, a campanha de Russomanno sucumbiu após brechas deixadas em sua proposta de introduzir uma tarifa proporcional à distância percorrida no transporte público da capital.

Elas foram usadas como munição de adversários, como o PT, do prefeito eleito Fernando Haddad — então candidato.