Doria já recua em propostas de campanha e terá dificuldades para cumprir promessas

Tucano já voltou atrás em planos para a velocidade das marginais, corte de secretarias e IPTU

Doria já recua em propostas de campanha e terá dificuldades para cumprir promessas

Prefeito eleito Doria Jr. já recuou em três promessas de campanha

Prefeito eleito Doria Jr. já recuou em três promessas de campanha

Marcus Leoni/27.10.2016/Folhapress

O prefeito eleito de São Paulo, João Doria Jr (PSDB), terá dificuldades para cumprir suas principais promessas de campanha. Prova disso é que o tucano já voltou atrás ao manter secretaria que prometeu fechar, confirmou reajuste do IPTU pela inflação após prometer um congelamento e admitiu a possibilidade de manter a velocidade reduzida nas marginais.

No início da campanha eleitoral, em agosto, o tucano prometeu que, se eleito, cortaria o número de secretarias de 27 para 20 pastas — entre elas, a Secretaria da Pessoa com Deficiência.

Na época, recebeu várias críticas porque citou pastas que sequer existiam. Agora, após ser eleito, manteve a Secretaria da Pessoa com Deficiência e já até anunciou o chefe.

Depois de eleito no 1º turno das Eleições 2016, Doria também voltou atrás na decisão de retomar as velocidades antigas das marginais — outra promessa de campanha.

Leia mais notícias de Eleições 2016

Quando pedalava em São Paulo na semana seguinte ao pleito, o tucano enfrentou a pressão dos ciclistas e admitiu que poderia manter em 50 km/h a velocidade máxima nas marginais Tietê e Pinheiros.

O terceiro recuo de proposta de campanha de Doria ocorreu por causa do IPTU. Um dia após a votação do 1º turno, ou seja, após ter saído vitorioso das urnas, o tucano disse que congelaria a passagem de ônibus e os tributos municipais em 2017: “Vamos falar de maneira clara: com taxas e impostos em 2017, [não haverá] nenhuma mudança, provavelmente depois também”

No entanto, questionado pelo R7 dois dias depois sobre a promessa, explicou que o IPTU terá que ser corrigido pela inflação, o que, na prática, significa um aumento no valor a ser pago pelos paulistanos no começo do ano que vem.

— Quando eu me referi [aos impostos], eu falei claramente que não haveria aumento. E não vai haver aumento. Aumento é aumento real [acima da inflação].

O aumento, porém, deverá afetar somente o IPTU — a tarifa de ônibus deverá ficar sem reajuste até o final de 2017. Portanto, o paulistano continuará pagando R$ 3,80 pelo transporte público na capital.

Além das três promessas já revistas, Doria também cometeu um pequeno deslize em meados de outubro, quando visitou Perus, bairro da zona norte de São Paulo, e afirmou que doaria o primeiro salário para as "crianças defeituosas". A gafe foi cometida ao se referir à AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente).

— Quero voltar a dizer a vocês aquilo que eu repeti durante a campanha: eu não quero receber nenhum salário. Durante os 48 meses como prefeito da cidade de São Paulo, vou doar os 48 salários. E a primeira entidade que vai receber meu primeiro salário de prefeito, de janeiro, é a AACD, a associação para as crianças defeituosas [sic].