Eleições 2018 Bolsonaro defende lei trabalhista diferenciada para o agronegócio

Bolsonaro defende lei trabalhista diferenciada para o agronegócio

Candidato à presidência pelo PSL afirma que ministro da Agricultura e Meio Ambiente será indicado pelo setor produtivo

Bolsonaro

Bolsonaro afirmou não ser contra direitos trabalhistas

Bolsonaro afirmou não ser contra direitos trabalhistas

Ricardo Moraes/Reuters - 11.10.2018

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, defendeu nesta quinta-feira (11) uma legislação trabalhista diferenciada para o setor de agronegócio, ao mesmo tempo que afirmou que não é contra os direitos trabalhistas.

Mais cedo, ao anunciar o nome de alguns ministros de seu eventual governo, o presidenciável garantiu que o futuro ministro da Agricultura e Meio Ambiente "vai ser indicado pelo setor produtivo". "Não teremos mais briga nesta área", afirmou ele.

No mesmo encontro com deputados eleitos do PSL, o candidato defendeu que a invasão de propriedades privadas seja tipificada como terrorismo. Ele classifica a legislação atual sobre o tema como "muito branda".

Bolsonaro confirma Heleno para Defesa e Guedes na Economia

Bolsonaro também confirmou que, se eleito, escolherá o general da reserva do Exército Augusto Heleno para o Ministério da Defesa, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para a Casa Civil, e o economista Paulo Guedes para comandar uma pasta da Economia, que deve representar uma união entre os ministérios da Fazenda e do Planejamento.

No início da noite, em entrevista à RedeTV!, Bolsonaro voltou a dizer que isentará do Imposto de Renda quem ganha até cinco salários mínimos e criará alíquota única de 20% de IR para todas as demais faixas.

Datafolha: Bolsonaro tem 58% dos votos válidos; Haddad, 42%

    https://noticias.r7.com/eleicoes-2018