Eleições 2018 Bolsonaro diz que vai governar o Brasil com a Bíblia e a Constituição

Bolsonaro diz que vai governar o Brasil com a Bíblia e a Constituição

Jair Bolsonaro foi eleito neste domingo (28) presidente do Brasil com 55% dos votos válidos, contra 45% de Fernando Haddad, do PT

bolsonaro presidente

Assim como na campanha, Bolsonaro se dirigiu a seus eleitores por transmissão online

Assim como na campanha, Bolsonaro se dirigiu a seus eleitores por transmissão online

Reprodução/Facebook

Eleito presidente do Brasil neste domingo (28), Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que será guiado pela Bíblia e pela Constituição durante seus quatro anos de governo.

Em discurso transmitido pela internet menos de meia hora após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) anunciar sua eleição, o político de extrema-direita chamou a Bíblia de "caixa de ferramentas' para consertar o homem e a mulher.

"O que mais quero é, seguindo os ensinamentos de deus, ao lado da Constituição brasileira, inspirando-se em grandes líderes mundiais, e com uma boa assessoria técnica e profissional, isenta de indicações políticas de praxe, começar a fazer um governo a partir do ano que vem que possa realmente colocar o nosso Brasil no lugar de destaque. Temos tudo para ser uma grande nação", afirmou.

Em discurso recheado de referências cristãs, Bolsonaro afirmou que Deus o salvou da morte em 6 de setembro, quando foi atacado a faca durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), chamando o trabalho dos médicos que o atenderam de "milagre". "Deus reservou algo para mim e para todos nós no Brasil", declarou.

"Fizemos uma campanha não diferente dos outros, mas como deveria ser feita, afinal de contas, a nossa bandeira, o nosso slogan eu fui buscar naquilo que muitos chamam de caixa de ferramentas para consertar o homem e a mulher, que é a bíblia sagrada", disse.

Bolsonaro afirmou que decidiu disputar a Presidência há quatro anos porque "não poderia mais pensar só em mim". 

"Depois dos 60 [anos] essa vontade se fez cada vez mais presente, não por obsessão, não por querer ocupar a cadeira presidencial por um motivo pessoal. Ocupá-la sim para que juntamente com uma boa equipe nós pudéssemos ter, mais do que esperança, ter a certeza de mudar o destino do nosso país", afirmou.

O presidente eleito afirmou ainda que sua campanha foi realizada "sem fundo partidário" e sob críticas "de grande parte da grande mídia", "colocando-me muitas vezes numa posição vexatória".

Como de praxe, Bolsonaro criticou seus adversários políticos e disse que a população "passou a ser integrante de um grande Exército, que sabia para onde estava marchando e clamava por mudanças".

"Não poderíamos mais continuar flertando com o socialismo, com o comunismo e com o populismo e com o extremismo da esquerda", disse.

Conheça a trajetória do novo presidente do Brasil

    Access log
    https://noticias.r7.com/eleicoes-2018