Eleições 2018
Eleições 2018 Empresas que permitem disseminação de fake news devem ser multadas, diz um dos principais teóricos sobre a relação entre política e tecnologia

Empresas que permitem disseminação de fake news devem ser multadas, diz um dos principais teóricos sobre a relação entre política e tecnologia

Nas eleições 2018, o termo "fake news" entrou definitivamente no vocabulário brasileiro. Evgeny Morozov, um dos principais especialistas sobre a relação entre política e tecnologia, acha que é preciso multar as empresas de tecnologia que permitem a difusão de fake news. O próximo passo seria criar um conselho independente, para decidir o que é verdade ou não. E, por último, criar estruturas de comunicação alternativas, que tenham outra lógica de negócios

Nas eleições 2018, o termo "fake news" entrou definitivamente no vocabulário brasileiro. Evgeny Morozov, um dos principais especialistas sobre a relação entre política e tecnologia, acha que é preciso multar as empresas de tecnologia que permitem a difusão de fake news. O próximo passo seria criar um conselho independente, para decidir o que é verdade ou não. E, por último, criar estruturas de comunicação alternativas, que tenham outra lógica de negócios.

Evgeny Morozov defende que empresas sejam multadas por fake news e que haja um conselho independente para definir o que é verdade ou não

Evgeny Morozov defende que empresas sejam multadas por fake news e que haja um conselho independente para definir o que é verdade ou não

Ilustração Brum

Nas eleições 2018, o termo "fake news" entrou definitivamente no vocabulário brasileiro. Não é difícil de entender o porquê. As informações falsas, fabricadas intencionalmente para atingir um fim político, foram divulgadas à exaustão no período eleitoral, fosse em mensagens de WhatsApp, postagens no Facebook ou em comentários no Twitter. Quem tem um celular ou um perfil em redes sociais dificilmente passou imune.

As instituições não sabem muito bem o que fazer para combater o fenômeno. Por isso, vale a pena ouvir Evgeny Morozov, um dos principais especialistas sobre a relação entre política e tecnologia, que tem sua própria fórmula.

Primeiro, diz Morozov, é preciso multar as empresas de tecnologia que permitem a difusão de fake news - e que, em última instância, lucram com isso, já que sua lógica de negócios é manter o usuário ativo para vender anúncios e coletar seus dados pessoais.

O próximo passo seria criar um conselho independente, para decidir o que é verdade ou não. E, por último, criar estruturas de comunicação alternativas, que tenham outra lógica de negócios. De certa forma, é voltar para o conceito do correio, em que o único objetivo é fazer as pessoas se comunicarem, sem coleta de dados, sem oferta de produtos.

Nascido em Belarus, no leste europeu, Morozov é considerado um visionário por ter sido um dos primeiros a prever que a Internet e as redes sociais poderiam trazer consequências políticas negativas.

Em 2011, no livro Net Delusion (sem versão brasileira), criticava o que chamava de ciberutopia, uma crença utópica de que o acesso à Internet iria fortalecer a democracia. Na verdade, dizia o teórico, a tecnologia também poderia servir ao autoritarismo.

Era uma opinião radical para o momento. Também no início de 2011, o mundo se entusiasmava com a Primavera Árabe, uma onda de protestos no Oriente Médio e no Norte da África, impulsionada pelo Twitter. O movimento chegou a ser chamado de "revolução das redes sociais". Parecia que Morozov era apenas um ranzinza pessimista.

Mas o curso da história acabou colocando Morozov no panteão dos grandes pensadores atuais. Entre os acontecimentos que geraram desilusão sobre o impacto político da tecnologia, estão o conflito e a violência que seguiram a Primavera Árabe e o escândalo da Cambridge Analytica, nas eleições americanas de 2016 (a empresa, que trabalhou para a campanha de Donald Trump, extraiu dados de 87 milhões de pessoas no Facebook).

Em 2018, o pensador - que é PhD em Harvard e foi professor visitante em Stanford, duas das mais prestigiadas universidades do mundo - foi listado entre os europeus mais importantes do mundo pelo site de jornalismo político americano Politico.

Na visão de Morozov sobre o mundo de hoje, a democracia está em perigo devido a uma mudança radical na forma que a informação é produzida e consumida: hoje, o debate público segue a lógica de negócios das empresas de tecnologia (estamos falando de Google, Facebook, WhatsApp, Twitter). Isso deteriora a comunicação política, potencializa fake news e pode até manipular o eleitor.

O pensador, de apenas 34 anos, lê português e acompanha de perto as notícias sobre o Brasil. Para ele, o PT cometeu três grandes erros. Um deles foi avaliar mal o tamanho da ira pública contra o partido.

Abaixo, veja os principais pontos da entrevista de Morozov para a BBC News Brasil:

BBC News Brasil - Sete anos depois da publicação do livro Net Delusion, qual sua avaliação: a democracia foi fortalecida ou enfraquecida pelo acesso à Internet e às redes sociais?

Evgeny Morozov - Se a democracia está em perigo - e eu acredito que esteja - é porque suas infraestruturas mais importantes, incluindo as que são usadas no debate público, estão completamente sincronizadas com a lógica de negócios das empresas de tecnologia. Ocasionalmente, isso pode criar oportunidades. Por exemplo, movimentos sociais de todos os tipos podem espalhar suas mensagens a custos muito baixos. Mas também há um custo invisível. E nós estamos começando a pagar por ele agora, já que sofremos com as consequências, como a manipulação eleitoral.

BBC News Brasil - O que você quer dizer com "manipulação eleitoral"?

Morozov - Não quero dizer que o processo eleitoral seja manipulado. Não é isso. O que eu sugiro é que há cada vez mais atores de fora - como a Cambridge Analytica - cujo trabalho é explorar as redes digitais para promover os candidatos que os contratam. É mais uma manipulação da mente do eleitor, usando os diversos dados pessoais que são recolhidos sobre nós para nos oferecer uma informação que será mais convincente para obter um objetivo político particular - seja pelo conteúdo, pela ordem ou pelo formato em que a informação é apresentada.

BBC News Brasil - Você falou que acha que a democracia está em perigo porque está sincronizada com a lógica de negócios das empresas de tecnologia. Poderia explicar isso melhor?

Morozov - Se você analisa como Facebook, Google, YouTube e Twitter operam, fica claro que eles têm um objetivo principal: reunir dados dos usuários, seja para aumentar a venda de anúncios ou para criar serviços de inteligência artificial. A necessidade de reunir dados - que eu chamo de "extrativismo de dados" - prejudica o debate público em geral.

Nessas empresas, há centenas de pessoas que trabalham para criar formas de nos viciar nos botões de atualizar ou postar. Quanto mais provocativo for um post, mais ele vai gerar interação do usuário. E é essa interação que permite às empresas coletarem mais dados sobre nós.

Nós estamos falando de uma transformação estrutural muito profunda, de como a informação é produzida e consumida - e a incorporação desses processos na dinâmica econômica e de negócios de um punhado de empresas. Isso é o que eu quero dizer com sincronização.

Evgeny Morozov é considerado um dos principais pensadores sobre a relação entre política e tecnologia, altamente crítico do Vale do Silício

Evgeny Morozov é considerado um dos principais pensadores sobre a relação entre política e tecnologia, altamente crítico do Vale do Silício

Divulgação

BBC News Brasil - Você tem acompanhado a situação brasileira. Inclusive, lê diretamente em português. Qual é sua análise sobre o que está ocorrendo no Brasil?

Morozov - Eu costumo ler os principais jornais do Brasil e alguns sites especializados. No Twitter, também acompanho algumas pessoas, principalmente jornalistas. Além disso, quando eu estava fazendo meu doutorado em Harvard, tive aulas com Roberto Mangabeira Unger, que continua sendo um bom amigo e um interlocutor sobre o que acontece no Brasil.

Minha análise da situação é que o PT cometeu três grandes erros. Primeiro, não tomar mais medidas para transformar a economia brasileira de forma mais radical durante os dois governos de Lula, preferindo manter o modelo que prioriza o consumo à base de crédito e a venda de commodities para os chineses. À medida que a crise financeira global começou a se desdobrar, esse modelo não pode continuar e se tornou uma deficiência do país.

Em segundo lugar, o PT poderia ter feito muito mais para mobilizar seus apoiadores na rua, em defesa da democracia, quando essas ações teriam sido muito importantes - logo antes e durante o processo de impeachment (de Dilma Rousseff, em 2016).

E, em terceiro lugar, tendo cometido os dois primeiros erros, o PT avaliou mal o tamanho da ira pública contra o partido - e contra a classe política em geral. O PT deveria ter feito uma campanha muito diferente. Na percepção coletiva, esses erros do PT foram transformados em erros de toda a classe política brasileira. Em meio a esse cenário de emergência, um político hábil como Bolsonaro conseguiu capitalizar apoio.

BBC News Brasil - Houve denúncias de que empresários pagaram ilegalmente por disparos em massa de mensagens contra o PT. Você acha que esse pode ser um caso de manipulação eleitoral, mencionada antes?

Morozov - Se houve qualquer coisa ilegal feita pela campanha de Bolsonaro ou qualquer outra, especialmente com relação a leis de financiamento eleitoral, é algo que as autoridades devem investigar. Mas, em geral, nós devemos esperar que todas as forças políticas se aproveitem da infinidade de dados comportamentais e psicométricos, relacionados a padrões de votação e preferências políticas.

Lembre-se que era comum celebrar a genialidade da campanha de Barack Obama no microtargeting (marketing direto para grupos segmentados de acordo com seu perfil político). A questão é como esses dados comportamentais e psicométricos podem ser obtidos. Alguns os obtêm de forma muito agressiva e ignorando as leis e as regras de regulação das plataformas - como a Cambridge Analytica fez - enquanto outros fazem isso de forma mais direta e sutil.

Para Morozov, o PT avaliou mal o tamanho da ira pública contra o partido; na imagem, manifestação de apoio a Bolsonaro dia 21 de outubro

Para Morozov, o PT avaliou mal o tamanho da ira pública contra o partido; na imagem, manifestação de apoio a Bolsonaro dia 21 de outubro

Reuters

BBC News Brasil - As fake news geraram grande preocupação nas eleições brasileiras. Como você vê essa questão? Qual a importância das fake news para a democracia?

Morozov - Eu tenho acompanhado as fake news nas eleições brasileiras e não me surpreendi. Talvez eu seja muito cínico ou simplesmente me lembre muito bem das eleições de 1996 na Rússia. Durante grande parte daquela década, a vida política da Rússia foi moldada pelas fake news e pela chamada "kompromat" - a obtenção e divulgação de informações comprometedoras, parte delas mentirosas, sobre os oponentes. Essas práticas também são comuns no Brasil, pelo que eu estou informado.

Minha proposta (para lidar com a questão das fake news) é, no curto prazo, começar a multar as plataformas que permitem que as informações falsas se disseminem - e que ganham dinheiro com essa circulação. Já no longo prazo, a melhor solução é reduzir a dependência da vida pública em relação a essas plataformas. E isso só pode ser feito através de regulação e também de financiamento e criação de infraestruturas de comunicação alternativas, em que o objetivo não seja extrair os dados dos usuários ou vender anúncios, mas sim melhorar a comunicação entre as pessoas.

A questão que temos que enfrentar daqui para frente é o quanto da infraestrutura por trás do funcionamento das redes sociais pode vir a ser dissociado das práticas de negócios desagradáveis das empresas de tecnologia.

BBC News Brasil - Você acredita que as grandes companhias de comunicação digital devem ser responsabilizadas pelas fake news? E é possível combater as fake news sem limitar a liberdade de expressão?

Morozov - Em um sistema ideal, nós não deixaríamos as empresas de tecnologia decidirem o que é verdade ou não, o que é ofensivo ou não. Uma década de experiência já nos mostrou que as empresas acabam tomando decisões muito ruins, que prejudicam todo mundo.

Esse é um trabalho que deveria ser feito pelos tribunais. Porém, há circunstâncias em que a velocidade é fundamental, e levar a decisão para a Justiça seria muito demorado e complexo. Assim, a melhor solução de curto prazo seria ter um sistema intermediário, em que conselheiros apontados de forma independente, respeitados, sem vínculo com as empresas, pudessem tomar decisões rápidas. Se as empresas não executassem as decisões desse conselho, elas deveriam pagar uma multa.

Já no longo prazo, como eu já disse antes, nós precisamos de uma infraestrutura diferente para organizar nossas comunicações. Em vez de delegar a responsabilidade de salvar a democracia para as grandes empresas de tecnologia, eu acho melhor removê-las do coração da democracia, que é o sistema de comunicação.

BBC News Brasil - E como lidar com as fake news quando elas são proferidas por altas autoridades políticas? Em entrevistas concedidas após a eleição de domingo, o presidente eleito Bolsonaro continuou citando a existência do "kit gay", uma notícia falsa, e afirmou que não houve ditadura no Brasil.

Morozov - O perigo é que a mídia tradicional não tenha um tom e uma abordagem que sejam éticos e duros o suficiente e comece apenas a reportar o que Bolsonaro disse, sem apontar que ele está mentindo. Recentemente, nos Estados Unidos, a Associated Press deletou seus tweets porque percebeu que errou. Quando eles estavam publicando declarações mentirosas e distorcidas de Donald Trump, eles deveriam ter apontado que se tratavam de mentiras e distorções.

'O perigo é que a mídia tradicional comece apenas a reportar o que Bolsonaro disse, sem apontar que ele está mentindo', fala Morozov

'O perigo é que a mídia tradicional comece apenas a reportar o que Bolsonaro disse, sem apontar que ele está mentindo', fala Morozov

Reuters

BBC News Brasil - O WhatsApp foi o aplicativo de conversas mais usado nas eleições brasileiras, principalmente pelos eleitores de Bolsonaro. Como você vê o uso político do WhatsApp?

Morozov - Boa parte da elite brasileira demonstrou o quão desinformada está em relação aos hábitos de consumo de mídia da maioria do país, ao supor que a televisão - e o horário eleitoral gratuito - era o que realmente importava nas eleições.

O WhatsApp está desempenhando um papel importante, não apenas no Brasil, mas também em países como a Índia, onde chegou a ser vinculado a campanhas de linchamento.

O apelo dessa ferramenta decorre da facilidade para utilizá-la e do desejo de evitar a mídia tradicional, que é percebida como tendenciosa e falha. Também há o receio de parte do público de que as grandes plataformas de tecnologia - como o Facebook e o Twitter - possam estar por trás de certas ideias políticas (um medo que é especialmente prevalente entre os conservadores). Tudo isso estimula as pessoas a experimentarem plataformas fechadas, como o WhatsApp, onde outsiders não podem ler e controlar as mensagens, nem denunciá-las sobre abuso.

BBC News Brasil - Em tese, o WhatsApp não é uma rede social e suas conversas são privadas. O combate às fake news no WhatsApp seria diferente? Pressupõe algo diferente do que você propõe para Facebook, Google, Twitter?

Morozov - O caso do WhatsApp não é tão simples. Em teoria, depende muito de como os interesses dos operadores das plataformas convergem ou não com os interesses dos cidadãos. Um sistema em que os anúncios pagam pelo envio da sua mensagem provavelmente funciona de forma diferente do que um sistema em que nós pagamos pelo envio da mensagem ou pela compra de selos - como ocorria com os correios antes do Google e outras empresas assumirem essa função.

Para além disso, a forma pela qual esses problemas serão resolvidos pelas plataformas já está evidente. Elas vão atribuir uma nota para cada um de nós, com base no nosso histórico de uso do seu produto, com quem nós interagimos, com que frequência e assim por diante. Essa nota, combinada com análises feitas por inteligência artificial, vai determinar se nós somos robôs ou contas falsas, que podem até ser autorizados a postar mensagens, no entanto elas não serão entregues ou serão marcadas como spam.

Apesar de que um sistema desse possa ser eficiente, minha preocupação, mais uma vez, é com a quantidade de poder que nós vamos dar para as empresas de tecnologia. O que eu acho mais interessante é ter um sistema de identidade digital, controlada pelo poder público, que possa limitar significantemente que dados possam ser coletados sobre nós e o quanto desses dados possam ser usados para diferenciar usuários diferentes. O mesmo vale para a inteligência artificial e seus algoritmos, que permanecem obscuros. A economia política da infraestrutura digital - a identidade digital e a inteligência artificial são parte disso - é talvez o tópico mais importante e mais ignorado na maioria dos países, exceto a China.

Morozov defende, no longo prazo, reduzir a dependência da vida pública em relação a plataformas como Facebook, Google, Twitter

Morozov defende, no longo prazo, reduzir a dependência da vida pública em relação a plataformas como Facebook, Google, Twitter

Getty Images

BBC News Brasil - Qual o impacto na política da coleta de dados pessoais pelas empresas de tecnologia?

Morozov - O impacto de curto prazo tem a ver com a deterioração do debate e da comunicação política. Em comparação com dez anos atrás, as coisas ficaram muito piores. Também podemos medir essa deterioração em comparação com uma configuração perfeita inatingível - (Jürgen) Habermas (o filósofo e sociólogo alemão) costumava chamá-la de "situação de fala ideal". Nessa configuração perfeita, é fácil para as pessoas exercitarem o pensamento crítico, raciocinarem sobre causas e efeitos e expressarem opiniões que não são apenas o subproduto das campanhas de medo dirigidas a elas por meio de uma extensa coleta de informações sobre os seus temores e ansiedades.

BBC News Brasil - A direita brasileira tem tido mais sucesso em se organizar online do que a esquerda. Essa situação se repete em outros países?

Morozov - Eu diria que sim. Mas isso tem mais a ver com o fato de que a esquerda tende a ter um padrão moral mais elevado. Minha experiência é que a esquerda frequentemente vai atrás da substância das propostas de seus oponentes, e fica distante de ataques pessoais e teorias da conspiração - há exceções, é claro, como quando Fernando Haddad citou acusações incorretas contra (Hamilton) Mourão (eleito vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro). Esse padrão moral mais elevado pode ter suas virtudes, mas realmente não trafega bem na mídia social.

BBC News Brasil - Bolsonaro diz que o Brasil precisa deixar o comunismo para trás - mas o país nunca foi comunista. Por que o comunismo está de volta ao discurso político?

Morozov - É verdade que muitas pessoas na extrema direita parecem acreditar que o espectro do comunismo está de volta, assombrando o mundo. Um relatório recente da Casa Branca menciona a palavra "socialismo" mais de 100 vezes e defende a ideia - risível - que os Estados Unidos estão se tornando socialistas.

A maioria do extremismo político de direita presume que seus oponentes, sejam eles liberais ou comunistas, são iguais e compartilham o mesmo conjunto de metas e objetivos - muitas pessoas da esquerda fazem o mesmo com relação aos liberais e os fascistas.

No contexto brasileiro, tais acusações são um pouco malucas, já que a ditadura militar brasileira implementou políticas econômicas que normalmente se associariam a um controle do governo sobre a economia.

BBC News Brasil - Muito provavelmente, a rede de comunicação que apoia Bolsonaro no WhatsApp vai continuar a operar durante seu governo. Qual o impacto que isso pode ter?

Morozov - Isso não é muito novo. Na Índia, o RSS - uma organização paramilitar de direita, próxima do partido BJP, de Modi - controla uma série de grupos de WhatsApp, que têm muita influência no país. Mas eu tenho certeza que o RSS encontraria outras formas similares de exercer influência, mesmo se não fosse o WhatsApp.

Então, apesar do uso de todas essas plataformas ser importante, nós não devemos atribuir tantas coisas a elas. As causas dessa crise são muito mais profundas do que apenas um controle ineficaz sobre os fluxos de informação.

Cena de um linchamento em Tripura, na Índia, por causa de um boato espalhado pelo WhatsApp; no país, aplicativo limitou para 5 pessoas o máximo de encaminhamentos que um usuário pode fazer

Cena de um linchamento em Tripura, na Índia, por causa de um boato espalhado pelo WhatsApp; no país, aplicativo limitou para 5 pessoas o máximo de encaminhamentos que um usuário pode fazer

Getty Images

BBC News Brasil - De que crise você está falando? E como então você resumiria suas causas?

Morozov - Há algumas crises ocorrendo ao mesmo tempo. A crise financeira global, que não foi adequadamente corrigida - as soluções foram postergadas e alguns políticos conseguiram ganhar tempo com medidas temporárias. A China assumiu, temporariamente, o papel de salvadora da economia global, mas esse papel não poderia durar para sempre. Como resultado, surgiram diversos efeitos colaterais negativos, com os quais o resto do mundo está tendo que lidar - desde a dependência da exportação de commodities para a China até o impulso chinês no setor da infraestrutura ao redor do mundo.

Essa crise econômica em andamento, ainda que oculta, desencadeou uma crise política, que agora está corroendo as velhas elites e sua retórica.

A compreensão mais ampla - que eu acho que está começando a acontecer, mas não em todo lugar - é que a narrativa convencional dos últimos 30 anos é falsa: não houve um claro vencedor da Guerra Fria. Parece que, na verdade, os dois lados perderam. Só que a perda dos Estados Unidos só se tornou óbvia muito depois da União Soviética. Ou então os custos dessa suposta vitória americana são agora tão altos que eles podem acabar ameaçando os "dividendos de paz" que deveriam emergir no pós-Guerra Fria. Eu vou dar um exemplo: sem o apoio tácito dos Estados Unidos durante a Guerra Fria, muitas forças de direita que agora estão se tornando movimentos sérios ao redor do globo não iriam ter durado e teriam que se dissolver décadas antes.

BBC News Brasil - Como você vê a ascensão do nacionalismo e do populismo ao redor do mundo? Como entender que uma sociedade mais conectada não esteja caminhando para mais democracia, mais direitos humanos e mais liberdade?

Morozov - Dizer que a nossa sociedade é mais conectada é um equívoco. A maior força da globalização nas últimas décadas foi a de um capital global, que se beneficia de custos de transporte de mercadorias mais baixos, menos tarifas e assim por diante.

Assim, nós podemos estar mais conectados com o capital global. Por exemplo, a riqueza de fundos soberanos do Golfo Pérsico pode estar subsidiando os custos de corridas de Uber na América Latina. Mas é preciso ser muito ingênuo para pensar que cidadãos da Arábia Saudita estão mais próximos de cidadãos do Brasil só porque eles podem se comunicar por e-mail sem nenhum custo.

Essa nova ordem, de um capital global, falhou em distribuir a riqueza que foi gerada graças a essa circulação mais rápida. Como resultado, as pessoas - muitas das quais viram seus níveis de vida piorar - começaram a procurar bodes expiatórios. E os encontraram em grupos éticos diferentes, minorias e assim por diante. O tipo de mídias sociais que nós temos - que se baseia apenas em buscar atenção e gerar clicks e likes - foi uma plataforma perfeita para esse jogo de colocar a culpa em outro.

    https://noticias.r7.com/eleicoes-2018