Eleições 2020 Em SP, candidatos trocam acusações em agenda nesta terça (24)

Em SP, candidatos trocam acusações em agenda nesta terça (24)

Covas (PSDB) e Boulos (PSOL) rebatem críticas e falam sobre transportes, creches e segurança urbana durante compromissos de campanha

Covas e Boulos intensificam críticas mútuas a poucos dias do 2º turno em SP

Covas e Boulos intensificam críticas mútuas a poucos dias do 2º turno em SP

Montagem/R7

Os candidatos à Prefeitura de São Paulo que avançaram após o 1º turno das eleições municipais deste ano Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) trocaram ataques durante a agenda pública desta terça-feira (24), além de falarem sobre pandemia do novo coronavírus, tarifas de ônibus, racismo e segurança urbana. O segundo turno de votações está  marcado para o dia 29 de novembro.

Leia também: Covas cai para 55% e Boulos sobe a 45% no 2º turno, aponta Datafolha

A campanha eleitoral começou oficialmente no dia 27 de setembro e o R7 tem divulgado os compromissos de campanha dos concorrentes à administração municipal paulistana. O critério definido para apresentação foi a ordem alfabética.

Bruno Covas (PSDB)

O candidato do PSDB, Bruno Covas, foi entrevistado nos programas Manhã Bandeirantes, da Rádio Bandeirantes, e Jornal Band News Mais tarde, ele foi sabatinado na Rádio CBN.

Nas respostas aos jornalistas e ouvintes da emissra, Covas se disse confiante e rebateu a crítica de ser beneficiado na disputa eleitoral por já estar à frente da administração. "A máquina pública beneficia quando você faz um bom governo. Há quatro anos quem estava na Prefeitura não foi sequer para o 2º turno."

Bruno Covas negou 2ª onda de covid-19 e afastou aumento das tarifas de ônibus

Bruno Covas negou 2ª onda de covid-19 e afastou aumento das tarifas de ônibus

Divulgação/Patrícia Cruz

O prefeito negou que a cidade esteja à beira de uma eventual segunda onda da pandemia da covid-19. "Em nenhum momento podem me chamar de omisso. A pandemia não acabou, precisamos manter os cuidados como uso de máscara e álcool gel e evitar aglomerações. Mas o quadro que temos hoje é de estabilidade", afirmou Covas.

Leia também: Pandemia e racismo sobressaem em debate entre Covas e Boulos na TV

O candidato tucano à reeleição disse ainda que a tendência para 2021 é de não haver reajustes nas tarifas de ônibus na cidade, inclusive pelo fato da inflação do período ter sido baixa. "A tendência é que o valor dos subsídios pagos às empresas voltem a ser de aproximadamente R$ 2,3 bilhões, quantia bem próxima das isenções que são concedidas", projetou.

Covs também falou sobre a perspectiva de valorizar cada vez mais os trabalhadores das creches conveniadas com a administração municipal. "Queremos em breve que essas pessoas recebam o mesmo bônus salarial pago aos servidores da área. E vamos estender a eles também o acesso a cursos de qualificação", complementou.

À tarde, Bruno Covas ainda fez caminhada pelo comércio no bairro Valo Velho, na zona sul. Depois, deu entrevista ao programa RedeTV Eleições, ao jornal Agora SP e ao programa SBT Eleições.

O candidato encerrou o dia em encontro com representantes da Fermesp (Federação das Entidades Representativas dos Militares do Estado de São Paulo) e com gravações de propaganda eleitoral.

Guilherme Boulos (PSOL)

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, participou de encontro com servidores públicos no Hotel Excelsior, localizado na avenida Ipiranga, no centro da capital.

Durante a reunião com funcionários da segurança pública, especialmente com a GCM (Guarda Civil Metropolitana), além de sindicatos de policiais civis e agentes penitenciários, Boulos reafirmou o compromisso assumido para valorizar o serviço público da cidade e daqueles que atuam na segurança urbana na capital.

Boulos conversou com servidores nesta terça-feira (24) no centro de SP

Boulos conversou com servidores nesta terça-feira (24) no centro de SP

WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO - 24.11.2020

"Sobretudo a Guarda [Civil Metropolitana] que tem sido desmontada por esse governo do Doria e do Bruno Covas. Não fez novos concursos públicos, não contratou novos guardas, desprestigiou a Guarda na prefeitura. Hoje, tivemos um episódio lamentável que foi a falta de combustível nas viaturas", declarou.

O candidato psolista também prometeu também implementar políticas para combater o racismo e a violência contra a mulher — neste caso específico, fortalecendo a patrulha da Lei Maria da Penha e recriando a Secretaria de Igualdade de Gênero e do Direito da Mulher.

Guilhmerme Boulos ainda revelou que ingressou com uma ação no Ministério Público Eleitoral contra uma notícia classificada por ele como fake news sobre a suposta demissão de trabalhadores das creches parceiras da cidade em caso de vitória nas urnas.

"É inacreditável. Parece que a cada pesquisa aumenta o desespero do nosso adversário, que começa a apelar, ir para um vale-tudo. Primeiro disseram que a gente iria demitir trabalhadores das creches. Essa fake news circulou inclusive com o uso da máquina pública", disse Boulos.

Últimas