Eleições 2020 Movimentos de renovação na política avançam no interior

Movimentos de renovação na política avançam no interior

Grupos como RenovaBR, Raps, Acredito, Agora, Livres e Vamos Juntas elegeram ao menos 200 representantes em prefeituras e câmaras neste ano

Agência Estado
Renovação ocorrida em 2018 não se repetiu neste ano

Renovação ocorrida em 2018 não se repetiu neste ano

Antonio Augusto/Ascom/TSE - 21.10.2020

Movimentos de renovação e grupos de formação política elegeram ao menos 200 representantes neste ano. Integrantes de RenovaBR, Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps), Acredito, Agora, Livres e Vamos Juntas vão assumir mandatos no ano que vem em prefeituras e câmaras municipais, principalmente no interior do país. Analistas ouvidos pelo Estadão veem redução na tendência de renovação de 2018.

Veja como ficaram as apurações do primeiro turno no país

Apesar do número ser comemorado pelos grupos, eleitos e não eleitos relatam que as campanhas enfrentaram desconfiança.

O RenovaBR estará representado por 147 eleitos em 121 cidades. Entre eles, 10 prefeitos e um vice-prefeito. O número representa 14% dos associados que saíram candidatos - a mesma porcentagem de efetividade que o grupo conquistou em 2018, quando elegeu 17 de seus 117 candidatos. Entre lideranças da Raps, um a cada quatro candidatos foi eleito neste ano. Foram 50 nomes com resultado positivo nas urnas em 44 cidades; entre eles, também 10 prefeitos; outros 12 candidatos disputam o 2.º turno como cabeça de chapa ou vice. O Acredito será representado por 2 prefeitos e 16 vereadores. O Livres terá 12 representantes em câmaras. O Vamos Juntas, 11 vereadoras; e o Agora, um prefeito.

Em Bezerros, cidade de cerca de 60 mil habitantes no agreste pernambucano, a prefeita eleita Lucielle Laurentino (DEM), de 31 anos, enfrentou resistência. "Subestimam a renovação, falam que é coisa de sonhador, de jovem. Num município pequeno, há vícios na política, como a compra de votos", diz Lucielle, que é associada a RenovaBR, Raps, Acredito e Vote Nelas.

'Quantidade não é qualidade'

Candidata a vereadora de São Paulo pelo Cidadania, Malu Molina teve apoio de uma das principais nomes ligados à renovação em 2018, a deputada federal Tabata Amaral - mas não foi o suficiente. Malu recebeu mais de 8 mil votos e não se elegeu. Para ela, que é associada a Raps, Vamos Juntas, Acredito e RenovaBR, a pulverização de candidaturas de movimentos de renovação entre muitos partidos é um problema. O Estadão mostrou que 29 das 33 siglas do País lançaram candidatos egressos de grupos de renovação.

"É um ponto discutir a dicotomia qualidade versus quantidade", diz Malu. "Se somarmos os candidatos de renovação em sua pluralidade, é uma chapa vencedora. Mas minha impressão é que houve uma pulverização desse campo. Cresceu, mas se fragmentou. Não foi tão coeso como em 2018. É importante fortalecer uma frente ampla que traga a discussão política para o centro, que é o campo que a renovação representa."

O cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, afirma que as demandas por renovação perderam intensidade entre 2018 para 2020 e isso se percebe no comportamento do eleitor. Uma das razões é que a ideia de "renovação" pode ter ficado associada a figuras de fora de política e que não necessariamente passaram por algum tipo de preparação.

"Neste ano, há uma rejeição no eleitorado a nomes eleitos em 2018 e que se mostraram como 'renovação'. Governadores afastados por exemplo (Wilson Witzel, do Rio de Janeiro; e Carlos Moisés, de Santa Catarina). Há ainda uma demanda por renovação, o problema é achar espaço sem o efeito da onda que foi 2016 e 2018."

Para o cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Mackenzie, a pandemia afetou esta mudança de tendência no comportamento do eleitorado. "Em todo o Brasil, o cidadão optou dessa vez por ficar nos candidatos conhecidos e que demonstraram experiência. Com a pandemia, as pessoas exigem o conhecimento necessário para tratar deste problema. Por isso, é um voto menos propenso a experimentações e novidades."

Prefeito eleito em Ascurra (SC), Arão Josino (PSD), associado a Agora, Raps e Renova, acredita que a mudança no comportamento de eleitor entre 2018 e 2020 tem a ver ainda com uma expectativa por mais qualidade na política. "Em 2018, queriam a mudança por si só, alguém diferente. Agora, as pessoas buscaram uma renovação com preparo e de preferência com experiência. Num momento como este, a população fica insegura e busca experiência", disse o prefeito eleito, que tem 28 anos.

Últimas