Eleições 2020 Russomanno elogia Bolsonaro e fala em auxílio municipal em São Paulo

Russomanno elogia Bolsonaro e fala em auxílio municipal em São Paulo

"Se ele vai me apoiar, você tem que perguntar a ele, mas o que posso te dizer é que nós somos amigos desde 1995", afirmou o candidato à prefeitura

Agência Estado
Em campanha, Russomanno elogia Bolsonaro e fala em auxílio municipal em SP

Em campanha, Russomanno elogia Bolsonaro e fala em auxílio municipal em SP

Reprodução/Redes Sociais

Em sua primeira agenda pública de campanha, o deputado Celso Russomanno, que disputa a Prefeitura de São Paulo pelo Republicanos, defendeu a imagem do presidente Jair Bolsonaro como o responsável pelo auxílio emergencial pago na pandemia. O parlamentar visitou durante a manhã desta terça-feira (29) o Sindicato dos Trabalhadores com Aplicativos de Transporte Terrestre Intermunicipal do Estado de São Paulo.

Leia mais: Maioria no país, negros são 35% dos candidatos a prefeito registrados

"O Bolsonaro foi o único (governante) que estendeu a mão para essa população. Você conhece algum programa do governo do Estado ou do município de auxílio emergencial? Não tem nada", afirmou. O candidato disse ainda que ele e o presidente conversaram um com o outro sobre a necessidade de adotar uma medida do tipo antes de a proposta ser formulada e implementada com autorização do Congresso.

Perguntado sobre o fato de o Congresso ter sido o responsável pelo aumento do valor, que foi de R$ 200, na proposta original do governo, a R$ 600, Russomanno afirmou que isso é o normal do processo democrático e que o próprio presidente depois reconheceu a necessidade do aumento. "Eu fui um dos que defendeu que o auxílio precisava ser um pouco mais alto e o presidente concordou com isso", disse.

Veja também: que sua cidade mais precisa? Vote!

Perguntado se receberá apoio explícito do presidente na campanha o candidato ressaltou a proximidade entre eles. "Se ele vai me apoiar, você tem que perguntar a ele, mas o que posso te dizer é que nós somos amigos, amigos desde 1995", afirmou Russomanno, acrescentado que desempenha na Câmara dos Deputados a função de vice-líder do governo.

Na mesma linha de outros candidatos na disputa, Russomanno afirmou que sua campanha está estudando uma forma de dar um auxílio aos munícipes. "Não tem no programa, mas estamos estudando uma forma de implementar um auxílio paulistano. Seria um complemento ao que o governo federal está fazendo, voltado para o mesmo público. Mas eu e o Marcos (da Costa, candidato a vice em sua chapa) inclusive discutimos bastante isso para saber de onde vamos tirar o dinheiro e manter investimentos e serviços", disse.

Leia ainda: Saiba o que é permitido na propaganda eleitoral dos candidatos

Na saída da agenda, Russomanno e Costa afirmaram que o deputado participará do debate na Rede Bandeirantes, marcado para quinta-feira, 1°.

Acusações

Sobre acusações que pesam contra sua a filha e o marido dela, de terem montado um esquema de pirâmide, Russomanno disse que seu genro firmou o compromisso com ele de "acertar tudo que tem".

"Eu sou um legalista", declarou. "Se meu genro tem problemas financeiros, ele vai responder por eles. Agora eu fico indignado de trazerem problemas familiares para uma campanha. Ele fez o compromisso comigo de acertar tudo que ele tem, todos os problemas que ele tem que são de ordem financeira", acrescentou.

Veja mais: Eleições 2020: TSE lança campanha contra a divulgação de fake news

Motoristas

Sobre a pauta dos motoristas de aplicativos, Russomanno disse que se comprometeu a ser um mediador das demandas entre os trabalhadores e as plataformas, mas disse que não tem perfil de interventor e que os aplicativos caíram no gosto do consumidor.

De acordo com o presidente do sindicato, Leandro da Cruz, a entidade convidou todos os candidatos para rodadas de conversas. Por enquanto, já ouviram Guilherme Boulos (PSOL) e receberam retorno sobre um possível encontro com Márcio França (PSB).

Cruz afirmou que Russomanno se comprometeu a isentar os motoristas de aplicativo de terem que aderir ao rodízio de veículos, caso seja eleito prefeito.

Últimas