Eleições 2020 SP: candidatos avaliam pesquisas e trocam críticas nesta 5ª feira (19)

SP: candidatos avaliam pesquisas e trocam críticas nesta 5ª feira (19)

Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) se enfrentam no segundo turno da eleição para a prefeitura paulistana, no dia 29 de novembro

Bruno Covas e Guilherme Boulos terão encontro em debate nesta quinta (19)

Bruno Covas e Guilherme Boulos terão encontro em debate nesta quinta (19)

Montagem/R7

Os candidatos Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL), vencedores no 1° turno das Eleições Municipais de 2020, avaliaram o resultado de pesquisas eleitorais e trocaram críticas durante a agenda desta quinta-feira (19). O segundo turno do pleito eleitoral está marcado para o dia 29 de novembro.

Leia também: SP tem Covas com 58% e Boulos com 42% no 2º turno, diz Datafolha

A campanha eleitoral começou oficialmente no dia 27 de setembro e, desde então, o R7 tem divulgado os compromissos de campanha dos concorrentes à administração municipal paulistana. O critério definido para apresentação foi a ordem alfabética.

Bruno Covas (PSDB)

O candidato do PSDB à reeleição, Bruno Covas, começou o dia às 10h com visita ao comércio na avenida Marechal Tito, na zona leste, e circulou pelo bairro de Itaim Paulista. À tarde, ele participou de sabatina do Estadão e encerra o dia de campanha no debate do 2º turno na TV Bandeirantes.

Durante a agenda, Bruno Covas reforçou que na retomada do horário eleitoral
gratuito a partir desta sexta-feira (20) manterá a mesma estratégia adotada no 1º turno, abordando o que já foi feito por sua gestão e apresentando propostas para os próximos quatro anos.

"O importante agora é fazer com que os eleitores comparem currículos. Saber quem é o candidatom que os eleitores comparem currículos. Saber quem é o candidato a prefeito, o que ele já fez, o que construiu na cidade, a história de cada um. Vamos continuar nas ruas até quando a legislação permitir, conquistando as pessoas", declarou.

Bruno Covas tomou café com eleitores na manhã desta quinta-feira (19)

Bruno Covas tomou café com eleitores na manhã desta quinta-feira (19)

Divulgação/Patrícia Cruz

O prefeito também se manifestou sobre as enchentes no Pantanal, que faz parte do distrito do Itaim Paulista. Ele disse que o bairro é uma região de alagamento histórico, porque foi construído abaixo da cota do rio.

Leia também: Se for reeleito, só volto a ser candidato em 2026', diz Bruno Covas

"Temos uma ação do DAEE [Departamento de Águas e Energia Elétrica] de construção de pôlders para poder conter a água em momento de cheia e a Prefeitura entra com o serviço de limpeza dos córregos. Ampliamos em 30% a capacidade dos reservatórios de água com 15 novos piscinões", afirmou.

Bruno Covas ainda revelou a forma de pagamento do pagamento do auxílio emergencial paulistano, no valor de R$ 100,00, que deverá ocorrer em três parcelas e será iniciado em breve. "Nossa perspectiva é pagar as duas primeiras parcelas até o final de novembro ou as três parcelas de uma vez em dezembro", completou.

Ele ainda comentou a polêmica declaração do candidato Guilherme Boulos de que a forma de conter o déficit da Previdência Municipal seria a contratação de mais servidores. "Isso é um exemplo claro de que o radicalismo ideológico sabe criticar, mas não sabe fazer conta."

Guilherme Boulos (PSOL)

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, participou do encontro "Com quem iremos governar", com propostas de especialistas de diferentes áreas que devem auxiliá-lo na administração da cidade, caso seja eleito.

Boulos se reuniu com especialistas que devem ajudar em seu governo, caso vença

Boulos se reuniu com especialistas que devem ajudar em seu governo, caso vença

Reprodução/Redes Sociais

Em suas redes sociais, Guilherme Boulos comemorou o resultado da mais recente pesquisa sobre a corrida eleitoral em São Paulo realizada pelo Datafolha. O levantamento aponta que o prefeito Bruno Covas tem 48% dos votos válidos, enquanto Boulos possui 42%. "Aponta que a onda da virada só cresce", disse o psolista em uma publicação.

Boulos também utilizou o seu perfil nas redes sociais para afirmar que a declaração que fez sobre o déficit da previdência municipal, durante a sabatina no Estadão, na última quarta (18), foi tirada de contexto. Ele negou que seja favorável a promover mais contratações para solucionar a questão.

"Eu argumento que usar o déficit da previdência municipal como justificativa para não fazer concursos não faz sentido do ponto de vista contábil, já que os servidores contratatos passariam a contribuir também para o fundo de previdência. É fundamental que o debate nesse segundo turno seja feito sem sensacionalismos nem distorções, pautados em um projeto de cidade", disse.

Boulos também recebeu o apoio para o segundo turno de Vera Lúcia (PSTU). A candidata que disputou a prefeitura classificou o voto no psolista como um voto crítico. "Chamamos a votar criticamente em Boulos para derrotar Covas e Doria. Não temos acordo  com os objetivos estratégicos, nem com o projeto, programa e política atual de Boulos e do PSOL. Por isso, o chamado ao voto na sua candidatura não implica em apoio ao seu futuro governo, caso seja eleito".

À noite, Boulos encerra o dia de campanha no debate do segundo turno na TV Bandeirantes.

Últimas