Eleições 2022 Ministros de Bolsonaro viram governadores e senadores; dos outros, presidiários, diz Damares

Ministros de Bolsonaro viram governadores e senadores; dos outros, presidiários, diz Damares

Senadora eleita participou de encontro em São Paulo com lideranças religiosas

Reprodução/YouTube - 19.10.22

A senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF) participou de evento em São Paulo com lideranças religiosas em defesa da vida nesta quarta-feira (19). Durante discurso, ela elogiou o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) e criticou gestões anteriores. 

VEJA A COBERTURA COMPLETA DAS ELEIÇÕES 2022 NA PÁGINA ESPECIAL DO R7

"Os ministros de Bolsonaro estão virando governadores e senadores; dos outros, viravam presidiários", disse, ao lado do candidato ao Governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), e do senador eleito Marcos Pontes (PL-SP). Os dois, assim como Damares, foram ministros de Bolsonaro. 

"Por muitos anos, a gente só tinha o sonho, a fé e a experiência. Nós não tínhamos dinheiro, imprensa, emendas, poder. Tínhamos um país governado pela esquerda, que não é pró-vida. Diziam que nunca chegaríamos ao país que queríamos. Olha onde esse sonho nos trouxe", destacou. 

Tarcísio também discursou no evento. "A gente está passando tribulação, por divisão, mas nós vamos vencer porque a bênção está declarada", disse durante discurso. Ele ressaltou questões defendidas pela candidatura dele e do presidente Jair Bolsonaro e criticou os adversários. "Nunca foi tão fácil escolher um caminho. Que caminho a gente quer? Eu quero o caminho da vida, eu quero o caminho da família, eu quero o caminho da liberdade. Eu quero o caminho do verde-amarelo; não quero o caminho do vermelho. Quero o caminho da livre-iniciativa; não quero o caminho do estado grande. Quero o caminho da honestidade; não quero o da corrupção."

Michelle Bolsonaro

Durante o evento em São Paulo, a primeira-dama Michelle Bolsonaro criticou o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ela se referiu à disputa presidencial como uma luta do "bem contra o mal". Disse, ainda, que Lula estaria com uma "lista" dos que "se levantaram contra ele" para prendê-los e que tenta voltar ao poder com "sede de vingança e sangue nos olhos".

Sobre Bolsonaro, a primeira-dama disse que o marido "é tão imperfeito quanto eu e você, mas vocês podem ter certeza que é um homem temente a Deus, patriota", disse. Ela pediu, então, que os cristãos sejam "multiplicadores de voto", saindo da "zona de conforto" para conseguir votos para o presidente.

"Nós estamos aqui para lutar pela nossa nação brasileira, nós estamos aqui para lutar pelo nosso Brasil, para que esse câncer, esse partido das trevas se dissipe, saia da nossa nação", continuou. Segundo Michelle, é necessário lutar pela liberdade religiosa, uma vez que a esquerda tenta diminuir a atuação da igreja.

Evento

O encontro reuniu, além de lideranças religiosas, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e os senadores eleitos Marcos Pontes (PL-SP) e Damares Alves (Republicanos-SP).

O presidente do Republicanos, deputado federal Marcos Pereira, foi uma das lideranças no evento. Ao discursar na solenidade, o parlamentar pediu votos para o presidente Jair Bolsonaro (PL) e Tarcísio, que disputarão o segundo turno das eleições para a Presidência da República e o Governo de SP em 30 de outubro.

"Estamos orando e jejuando até o dia 30 de outubro, mas este jejum e esta oração têm que ser seguidos de ações concretas. Não há dúvidas que todos aqui, sem exceção, no dia 30 de outubro votarão 10 para governador de São Paulo e 22 para presidente do Brasil", destacou Pereira.

Últimas