Eleições 2022 Moraes: 'Filas nas eleições não são consequência da biometria'

Moraes: 'Filas nas eleições não são consequência da biometria'

Em entrevista coletiva neste domingo, presidente do TSE afirmou que intercorrências são 'normais' e fazem parte de toda eleição

  • Eleições 2022 | Clarissa Lemgruber, do R7, em Brasília

Ministro Alexandre de Moraes, em entrevista coletiva no TSE

Ministro Alexandre de Moraes, em entrevista coletiva no TSE

Clarissa Lemgruber/R7

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Alexandre de Moraes, afirmou na tarde deste domingo (2) que as longas filas de votação em todo o país não são consequência da biometria. "Conversei com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, desembargador Elton, e não é possível afirmar que eventuais filas são consequência da biometria", disse.

Em entrevista coletiva à imprensa realizada na sede do tribunal, o ministro informou que as intercorrências são "normais" e ocorrem em toda eleição. "Eleição absolutamente tranquila, um clima tranquilo. Eu votei cedo em São Paulo, depois passei no TRE de São Paulo, conversei com o presidente. Vim para Brasília. Nós percebemos um clima ameno, tranquilo", disse.

Moraes reafirmou ainda que as urnas eletrônicas são seguras, transparentes e auditáveis. "Neste ano, a Justiça Eleitoral ampliou o teste de integridade, normalmente realizado em 100 urnas, mas que será realizado em 641 urnas. Esse teste é para comprovar que o programa da urna retrata com absoluta fidelidade o que o eleitor digita", disse.

Resultado oficial

O ministro afirmou que o resultado oficial será divulgado ainda neste domingo (2), mas não quis cravar um horário específico. "Vamos totalizar os votos hoje. Provavelmente, no final da totalização haverá uma coletiva para sanar dúvidas que possam surgir", disse.

Questionamentos

Questionado sobre o posicionamento do tribunal caso haja contestações sobre o resultado das eleições, o ministro minimizou a possibilidade. "Eu sou corinthiano, como todos sabem. Até hoje, eu contesto a vitória do Internacional [sobre o Corinthians], em 1976. Só que isso não significa nada, eu guardo para mim mesmo. E é assim que o TSE vai tratar qualquer contestação ao resultado", completou.

Últimas