Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Peixe de 900 kg era tão raro que aquário errou na identificação; felizmente, uma especialista ajudou

O Seaside Aquarium pensou que um peixe-lua comum havia encalhado na costa do Oregon, nos Estados Unidos, na semana passada e postou...

Estadão Conteúdo|Do R7



O Seaside Aquarium pensou que um peixe-lua comum havia encalhado na costa do Oregon, nos Estados Unidos, na semana passada e postou fotos de sua carcaça de 907 quilos nas redes sociais. Mas uma bióloga marinha da Nova Zelândia que viu as fotos suspeitou que eles haviam encontrado algo muito mais raro — um peixe-lua trapaceiro.

O erro do aquário foi compreensível. É um erro que pessoas e cientistas cometeram por mais de um século, até que foi identificado como uma espécie diferente. Na verdade, é por isso que a bióloga marinha Marianne Nyegaard lhe deu um nome que alude à sua capacidade de enganar as pessoas. Na semana passada, ela viu as fotos do aquário em Seaside, Oregon, e contatou os funcionários para informá-los que acreditava que haviam encontrado um dos trapaceiros. “Eu vi isso e pensei ‘Uau! Isso é um trapaceiro’”, ela disse ao The Washington Post.

A carcaça do peixe, que o aquário acredita ser um dos maiores espécimes já documentados, tem pouco mais de dois metros comprimento e uma aparência bizarra — como uma pedra inchada com olhos mortos e uma boca sem lábios. Apesar de sua aparência assustadora, o cadáver atraiu grandes multidões pessoalmente e online desde que chegou à praia uma semana atrás, disse Keith Chandler, gerente geral do Seaside Aquarium, acrescentando que o número de espectadores chega aos milhares.

“Tem sido um sucesso de público”, disse ele, acrescentando: “As redes sociais enlouqueceram com isso.”

Sessão interativa de aprendizado

Os trapaceiros se parecem superficialmente com outras espécies de peixes-lua, mas são facilmente distinguíveis após exame, disse ela. Por exemplo, Mola mola têm pele enrugada, enquanto os trapaceiros são completamente lisos. Uma das razões pelas quais demorou tanto para diferenciar as espécies de peixes-lua é que não há muito financiamento para pesquisá-los. “Só ganhamos conhecimento quando alguém realmente está olhando para isso”, disse ela.

De acordo com a equipe de Nyegaard, o trapaceiro foi a primeira nova espécie de peixe-lua descoberta em mais de 125 anos. No início, Nyegaard acreditava que os trapaceiros viviam exclusivamente no hemisfério sul, disse ela a colegas pesquisadores de peixes-lua em 2021. Ela havia encontrado evidências deles em águas temperadas nas costas do Chile, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia, e pensava que uma grande faixa de água mais quente os bloqueava de ir para o norte.

Mas em 2019, um encalhou na Califórnia, e desde então, eles foram encontrados na costa oeste até o Noroeste Pacífico e tão ao norte quanto o Alasca, disse ela durante sua apresentação de 2021.

Ao ouvir a notícia de um novo espécime de trapaceiro, Nyegaard, que por acaso estava viajando em Seattle na semana passada, fez a viagem de mais de quatro horas até Gearhart para investigar, disse Chandler do aquário na segunda-feira, 10. Uma vez lá, ela coletou amostras, incluindo os ovários do peixe, enquanto passava duas horas respondendo a todas as perguntas que os espectadores tinham sobre a espécie que ela havia descoberto recentemente, disse Chandler.

A carcaça resistiu aos elementos e aos predadores devido à sua pele dura, disse Chandler. Mas depois que Nyegaard a cortou, ele suspeita que águias, gaivotas e outros começarão a desmantelá-la. Ainda assim, ele disse que está feliz que atraiu multidões para a natureza e, para alguns sortudos, os expôs a uma sessão interativa de aprendizado com uma pesquisadora dissecando ativamente um animal. “Se isso tira as pessoas de seus telefones e porões para a praia”, disse Chandler, “é uma coisa ótima”.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.