EUA: força-tarefa diz que risco para americanos, neste momento, ainda é pequeno

Os Estados Unidos anunciaram hoje que estão preparados para gastar até US$ 100 milhões para ajudar a China e a Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate ao coronavírus. O anúncio foi feito em entrevista coletiva, na Casa Branca, com integrantes da força-tarefa montada pelo governo para avaliar o impacto da doença.

O grupo, que inclui representantes do Departamento de Estado e do Departamento de Saúde, informou que um total de 12 casos de coronavírus foram registrados nos EUA. Segundo as autoridades, mais pessoas devem ser diagnosticadas com a doença nos próximos dias. Mesmo assim, a força-tarefa disse que o risco para os americanos, neste momento, ainda é pequeno e que medidas como o uso de máscaras não são necessárias.

O diretor dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Robert Redfield, destacou que, na China, a situação é diferente, já que o surto ainda não está controlado. Contudo, ele garantiu ter confiança na veracidade das informações compartilhadas pelo país asiático.

Em relação aos estudos clínicos sobre o tratamento do vírus, o grupo revelou que ainda não houve falhas nas pesquisas para o desenvolvimento da vacina e que testes para diagnóstico foram distribuídos em hospitais americanos.