tragédia brumadinho
Notícias Exclusivo: relatório atestou risco baixo para barragem em 2018

Exclusivo: relatório atestou risco baixo para barragem em 2018

Declaração de estabilidade classificou a barragem da mina de Córrego Feijão, em Brumadinho (MG), em categoria de baixo risco 

relatório atestou risco mínimo para barragem em 2018

Relatório atestou risco mínimo para barragem em 2018

Relatório atestou risco mínimo para barragem em 2018

Reprodução

O engenheiro civil Makoto Namba, da empresa Tuv Sud Bureau de Projetos, assinou relatório que atestava a estabilidade da Barragem I, da Mina do Córrego do Feijão. A estrutura, que rompeu na sexta-feira, provocando a tragédia em Brumadinho, foi classificada como de baixo risco pelo profissional.

O R7 teve acesso ao documento, classificado como restrito, que também é assinado pelo engenheiro da Vale César Augusto Paulino Granchamp. A Tuv Sud é uma empresa alemã de auditoria e certificação.

Leia mais: Vale 'não vê responsabilidade' e pede liberação de bens, diz defesa

A declaração de estabilidade integra a auditoria técnica de segurança do segundo semestre de 2018 do Complexo Paraopeba, onde ficava a Mina do Córrego do Feijão.

No relatório emitido em 26 de setembro de 2018, a Barragem I, que rompeu na sexta-feira, é classificada como de alto potencial de dano associado, porém com baixo risco.

No documento, consta que a última inspeção no local foi feita pelo engenheiro Makoto Namba em 20 de julho. Ele atestou a estabilidade da estrutura de acordo com as normas do DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral).

Outro Lado

Procurado nesta tarde na Tuv Sud, uma funcionária disse que Namba estaria em Minas Gerais e que não iria comentar o assunto. Também procuramos o engenheiro por telefone, mas ele não retornou nossas ligações e mensagens.

No início da tarde, a Tuv Sud divulgou nota informando que fez avaliações nesta barragem: uma revisão periódica de segurança (18/6/2018) e uma inspeção regular de segurança (26/9/2018) de acordo com as normas do DNPM. A empresa também informou que não iria comentar as investigações em andamento e que estão colaborando com as autoridades.

Veja abaixo a íntegra:

Reprodução
    Access log