Notícias Governos aproveitam Janssen para vacinar caminhoneiros e moradores de rua

Governos aproveitam Janssen para vacinar caminhoneiros e moradores de rua

Agência Estado

Com a vantagem da aplicação em dose única, a vacina Janssen passou a ocupar papel estratégico na vacinação de alguns municípios. Em busca de imunizar grupos que correm o risco de não retornar para a segunda aplicação ou que precisam de mais rapidez no processo, Estados como Minas, Paraná e Rio Grande do Norte e cidades como São Paulo e Araguaína (Tocantins) destinam todas ou uma parte das doses para moradores de rua e caminhoneiros. Especialistas elogiam priorização de grupos com a vacina de dose única.

A Prefeitura de São Paulo reservou cerca de 12% das doses da Janssen no sábado, 26, para a população de rua com mais de 18 anos. Quatorze mil unidades devem concluir a vacinação do grupo, iniciada ainda em fevereiro. Nos últimos quatro meses, mais de 21,7 mil doses de outras vacinas foram aplicadas nos centros de acolhida da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). Em nota, a pasta municipal de Saúde disse que o objetivo da nova etapa é completar a vacinação de parte dessa população que não está cadastrada nesses centros.

As demais 100 mil doses do imunizante enviadas ao município foram distribuídas às 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da capital e poderão ser aplicadas no público geral elegível. Nesta segunda-feira, 28, São Paulo imuniza quem tem 46 anos ou mais.

Das 149 mil doses recebidas por Minas, 80% vão para moradores de rua. O Estado também determinou o uso da vacina americana em trabalhadores do transporte coletivo e da limpeza urbana, e forças de segurança e de salvamento.

Em Belo Horizonte, todas as 23 mil unidades de Janssen serão utilizadas, inicialmente, para a imunização da população de rua. O grupo é estimado em 8,5 mil pessoas, levando em conta os inscritos no Cadastro Único e a população atendida pelos serviços e unidades socioassistenciais.

Conforme o andamento da vacinação, no caso de doses restantes, a Secretaria Municipal de Saúde vai avaliar quais grupos poderão aproveitar o excedente. Entre 26 de maio e 25 de junho, cerca de 1,6 mil moradores de rua com mais de 18 anos já haviam sido imunizados na capital mineira.

O governo do Rio Grande do Norte determinou que, por apresentarem dificuldades de retorno para a segunda dose, moradores de rua e caminhoneiros devem ser considerados prioritários para a aplicação da Janssen. No Paraná, que recebeu cerca de 91 mil doses, os caminhoneiros estão entre os prioritários, assim como trabalhadores do transporte rodoviário, ferroviário e aquaviário.

Priorização é estratégia lógica, diz especialista

Médica e diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Mônica Levi encara como positiva a priorização de pessoas em situação de rua e caminhoneiros. "O objetivo é ter menos gente sem a segunda dose. Já temos 3,8 milhões de pessoas que só têm a primeira, sem a segunda. Esse é um grande prejuízo, pessoas que não estão protegidas", afirma.

"Usar uma vacina de uma dose para pessoas como os moradores de rua, que você pode ter dificuldades de encontrar ou de ter uma procura espontânea pela vacina, é uma estratégia lógica", elogia. "São pessoas que vão ter uma dificuldade até de uma busca ativa. Os agentes comunitários estão indo atrás dessas pessoas que estão mapeadas, que não tomaram a segunda dose. Nesse sentido, com as pessoas que não têm residência fixa, lógico que é mais fácil usar a Janssen."

EUA usou imunizante para grupos vulneráveis

O Brasil não é o primeiro país a contar com iniciativas voltadas para a vacinação da população em situação de rua com o imunizante Janssen. Do norte ao sul dos Estados Unidos, organizações que trabalham com esses grupos utilizam a vacina fabricada pela farmacêutica.

No final de abril, relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) apontou que essa população seria uma das mais afetadas com uma possível suspensão permanente do imunizante.

O texto foi publicado para anunciar a retomada nas aplicações da vacina após uma interrupção nacional de cerca de dez dias, ocasionada pela detecção de alguns casos graves de coagulação sanguínea em recém-vacinados. No documento, a autoridade sanitária considera que os benefícios do produto superam os riscos e recomenda o uso sem restrição para o público adulto.

Conforme o material, antes da paralisação, a maior parte das jurisdições relatou focar os esforços da vacinação com Janssen em populações móveis ou difíceis de alcançar com uma segunda dose. Neste conjunto, os "sem teto" são maioria: 68%.

Últimas