Estado Islâmico

Conhecimento Cientifico Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas

Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas

Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, considerado um período sagrado para o islamismo. O jejum é uma prática obrigatória neste período. Essa matéria Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas foi criada pelo site Conhecimento Científico.

Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, que é baseado nas fases da lua. Para a religião islâmica, durante esse período, no ano 610, o profeta Maomé recebeu a palavra de Alá. Nessa época, os muçulmanos se dedicam a orações, leituras do Alcorão e jejuam durante o dia.

Todavia, por se basear no ciclo lunar, o Ramadã pode acontecer em qualquer estação do ano. Neste ano, o mês mais sagrado do islamismo começou em 13 de abril e vai terminar só em 12 de maio, com as celebrações do Eid al-Fitr (celebração do fim do jejum).

Nesse sentido, prática mais comum deste período, o jejum é feito na alvorada – a primeira refeição é por volta das quatro horas da manhã –, terminando com o pôr do sol. As refeições, no entanto, são sempre precedidas por uma oração.

Origem do Ramadã

Um dos meses do calendário islâmico, o Ramadã tem origem na palavra de raiz árabe ‘ar-ramad’, ou calor escaldante. A crença islâmica acredita que no ano 610, o anjo Gabriel apareceu ao profeta Maomé, revelando a ele a palavra sagrada, o Alcorão.

Conhecimento Científico

Conhecimento Científico

Conhecimento Científico
A Filosofia está no ar.

Nesse sentido, a revelação aconteceu no que os muçulmanos chamam de Noite do Poder, ou ‘Laylat Al Qadr’, durante o Ramadã. O livro sagrado do islamismo é composto por 114 capítulos, que representam a palavra sagrada de Alá.

Outro livro sagrado do islamismo é o Hádice, que possui os relatos dos companheiros do profeta Maomé. Os textos abordam a filosofia e as obras de Maomé, e complementam o Alcorão (livro principal).

O que é o Ramadã?

O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico (baseado nas fases da lua), que possui 354 ou 355 dias. É um mês sagrado, por representar o momento da anunciação da palavra de Alá ao profeta Maomé, feita pelo anjo Gabriel.

A revelação aconteceu na Arábia Saudita, no ano 610. A profecia conta que durante a revelação, Maomé recitou um verso que pertencia à palavra de Alá, dando nome ao acontecimento conhecido como Noite do Poder.

Nesse sentido, a partir deste evento, Maomé decidiu levar a mensagem de Alá por onde fosse. Tal acontecimento fez com que o Ramadã se tornasse um evento muito importante para o Islã, e uma das formas de demonstrar é praticando o jejum, um dos pilares do islamismo.

Conhecimento Científico

Conhecimento Científico

Conhecimento Científico
Peregrinos na cidade sagrada de Meca.

O Ramadã tem início com a aparição da Lua crescente, que marca o fim do Shabban (oitavo mês do calendário islâmico). No 29º dia, se a Lua crescente for avistada, o dia seguinte marcará o começo do Ramadã.

Por outro lado, se ela não aparecer e os cálculos astronômicos não apontarem o início dela, o próximo dia será o 30º do Shabaan, marcando o início do Ramadã para o outro dia. Quando no céu, a Lua crescente permanece por apenas 20 minutos.

Neste ano, o Ramadã se iniciou em 13 de abril, durando até o dia 12 de maio de 2021. Entretanto, por ser um momento de um calendário menor que o gregoriano, o Ramadã acontece sempre em um período diferente do ano.

Meses do ano do calendário islâmico

Diferente do calendário gregoriano, o calendário islâmico tem os seguintes meses:

1.Muharram 2.Safar 3.Rabi al-Awwal 4.Rabi al-Akhir 5.Jamadi al-Awwal 6.Jamadi al-Akhir 7.Rajab 8.Shaaban 9.Ramadã 10.Shawwal 11.Dhu al-Qidah 12.Dhu al-Hija

Práticas religiosas do Ramadã

A princípio, o Ramadã acontece durante 29 ou 30 dias e uma das práticas obrigatórias é o jejum, que acontece entre o nascer do sol e o momento em que ele se põe. Nesse sentido, os muçulmanos se abstêm de comidas e bebidas, de atividades sexuais e de xingamentos.

Todavia, algumas exceções podem ser aplicadas ao jejum. É o caso de pessoas doentes, idosos, crianças, grávidas, mães em período de amamentação, mulheres menstruadas e pessoas em viagem estão dispensadas do jejum.

A princípio, o Ramadã é um momento de aproximação a Alá e de perdão. Nesse sentido, algumas práticas acontecem com maior frequência, como as orações e recitações dos versos do Alcorão. A caridade também é comum neste período.

Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas

Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas

Conhecimento Científico
Anba.

Contudo, no Ramadã o dia começa às quatro horas da manhã, quando acontece a Suhur, primeira refeição do dia. A primeira oração (Fajr) acontece logo em seguida. Quando o sol se põe, os muçulmanos rezam a Magrib e fazem outra refeição no Iftar.

Antes de tudo, durante o dia, as pessoas se reúnem nas mesquitas para fazerem orações. Nesse sentido, um alimento muito consumido é a tâmara. Por fim, nos últimos 10 dias do mês, as pessoas aumentam a sua devoção, pois acreditam que foi neste período que aconteceu a revelação a Maomé.

Sobretudo, o Ramadã acaba com a celebração do Eid al-Fitr, conhecido como festival de quebra do jejum. Nesta festa acontecem celebrações de três dias, regadas a comida. Nesse sentido, o período é feriado nos países muçulmanos e é uma oportunidade de confraternização entre as pessoas.

Então, o que achou da matéria? Se gostou, leia também: Península Arábica – História, principais características e islamismo.

Fontes: Brasil Escola, Abraço Cultural, Britannica Escola, National Geographic, Mundo Educação

Imagens: Band, A Filosofia está no ar, Folha de S. Paulo, Anba

Essa matéria Ramadã, o que é? Origem da celebração e práticas religiosas foi criada pelo site Conhecimento Científico.

Últimas