Hora 7 Dentista quebra dentes de pacientes e fatura R$ 20 milhões com cirurgias

Dentista quebra dentes de pacientes e fatura R$ 20 milhões com cirurgias

Caso de fraude de profissional dos EUA durou quatro anos e foi alvo de um processo federal

  • Hora 7 | Do R7

Profissional faturou milhões com esquema fraudulento

Profissional faturou milhões com esquema fraudulento

Pixabay

Um dentista americano foi acusado de quebrar propositalmente os dentes de pacientes para ganhar dinheiro fácil com a instalação de coroas dentárias em milhares de bocas. Segundo o processo que condenou o profissional, ele ganhou pelo menos R$ 20 milhões (US$ 4,2 milhões) entre 2016 e 2019 com procedimentos do tipo.

Scott Charmoli, 61 anos, atua em Wisconsin, e parece ter iniciado o esquema de ganhos criminosos em 2015, segundo a investigação — quando a instalação de coroas no consultório dele cresceu vertiginosamente.

Em 2014, o dentista instalou 434 coroas, muito menos que as 1.036 coroas do ano seguinte. Os ganhos financeiros de Scott cresceram ainda mais no mesmo período: de R$ 6,7 milhões (US$ 1,4 milhão), em 2014, para R$ 11,9 milhões (US$ 2,5 milhões).

No período investigado, o dentista ganhou mais que 95% dos profissionais de odontologia do estado. Relatórios de planos de saúde mostraram que a probabilidade de um paciente ter uma coroa instalada no consultório de Scott era 13 vezes maior que na média de Wisconsin.

Segundo o site Ars Technica, a investigação revelou que os métodos do salafrário eram simples: em uma visita, ele tirava raio-X, apontava uma mancha qualquer no registro e dizia se tratar de um problema que exigia certo procedimento corretivo.

Assim que o paciente aceitava a intervenção, ele quebrava o dente que era alvo da fraude para criar um problema real que exigia a instalação da coroa dentária, o que evitava atrair suspeitas de planos de saúde.

O caso atraía a atenção de funcionários, principalmente quando Scott pedia a eles que fizessem raios-X após a perfuração dos dentes, mas a fraude só foi descoberta quando a clínica foi vendida a Pako Major, um colega dentista.

Quando Pako viu os arquivos, suspeitou dos procedimentos e denunciou o caso às autoridades.

Um júri foi instaurado em 2020, e parte das propriedades de Scott foi congelada. No início de março deste ano, ele foi considerado culpado de cinco acusações de fraude, que podem render dez anos de prisão cada uma.

A sentença dele está marcada para 17 de junho, enquanto outros cem pacientes o processam individualmente, o que deve complicar ainda mais a situação do dentista criminoso.

LEIA ABAIXO: Dor, sangue e alicates: quarentena fez surgir vários dentistas caseiros

Últimas